artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 25 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A Propaganda Eleitoral e a Poluição Visual

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

            Muitos reclamam sobre a maciça divulgação de propagandas eleitorais, que acaba poluindo visualmente as cidades, atentando contra a qualidade de vida dos cidadãos.

            Mesmo aqueles que não se insurgem, ainda que não se dêem conta disso, estão sendo prejudicados pela poluição visual, que, segundo pesquisas realizadas, constitui fator determinante do stress, gerando uma série de outras conseqüências no dia a dia das pessoas.

            É fato: a poluição visual deprecia a qualidade de vida!!!

            Do outro lado da balança está a manutenção do regime democrático, que não pode prescindir dos meios de comunicação de massa para aproximar os eleitores dos candidatos. Na sociedade globalizada em que vivemos não mais tem lugar, ao menos como regra, a propaganda eleitoral boca a boca.

            Os candidatos acabam tendo que se utilizar de meios de comunicação de massa, dentre os quais a divulgação de banners, faixas, estandartes, assim como a pintura de muros e a afixação de placas.

            Permanentemente, a veiculação desses meios de propaganda vem regulada pela denominada legislação de posturas municipais, que disciplina a sua distribuição e colocação, a fim de preservar a qualidade de vida das pessoas na cidade.

            Entretanto, às vésperas das eleições, passa a prevalecer a legislação eleitoral, que permite a afixação de faixas, estandartes e assemelhados nos postes de iluminação pública, viadutos, passarelas e pontes, com a condição de que não causem dano e nem dificultem ou impeçam o bom andamento do tráfego. Permite também a mesma legislação a pintura de muros e afixação de placas nos imóveis particulares.

            Tudo isso a partir de 06 de julho do ano da eleição.  

            Pode-se dizer que existe, no período eleitoral, um conflito entre o direito dos cidadãos de circular em uma cidade visualmente limpa e o direito dos cidadãos de conhecerem e saberem quem são os candidatos, a fim de formar a sua consciência de voto e, dessa forma, melhorarem sua cidade, seu estado e seu país.

            Qual dos direitos deve prevalecer? Eis a questão!

            A nós parece, sem sombra de dúvidas, que deve prevalecer o direito dos cidadãos de conhecerem as propostas dos candidatos e de formarem sobre eles um juízo de valor, pois assim estará sendo garantido o regime democrático, assegurado pela Constituição Federal, no seu art. 1º, “caput”.

            É pressuposto para o atendimento de todos os demais direitos fundamentais a democracia, uma vez que, como já se viu no passado recente brasileiro, em regimes ditatoriais as garantias individuais vão sendo dia a dia reduzidas.

            Persiste, no entanto, o direito a uma cidade limpa após as eleições e antes de 6 de julho do ano da eleição, cabendo às autoridades públicas municipais exercerem o seu poder de polícia.

            Especialmente após o pleito, decorridos sessenta dias, o município está liberado para aplicar multas e fazer a cidade voltar a ser limpa.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato