artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 25 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A Corrupção Eleitoral

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

Sem sombra de dúvidas a corrupção eleitoral, na modalidade de compra de voto, é um dos piores males que ataca o regime democrático. Entretanto, esta forma de corrupção tem um sujeito ativo, aquele que compra o voto, e um sujeito passivo, aquele que vende o voto.

Quanto ao sujeito ativo, diversas providências vem sendo tomadas, sendo considerada uma das mais importantes a inovação introduzida pela Lei n° 9840/99, que permite que o mandato do eleito seja cassado mesmo nos casos em que a corrupção não produziu qualquer alteração no resultado da eleição.

Exemplificando, ainda que o candidato tenha entregue uma única cesta básica em troca de voto, poderá o seu mandato ser cassado, não obstante tenha ele obtido uma votação bem superior ao quociente eleitoral ou ao segundo colocado. Em tais casos a “caneta” do juiz se sobrepõe à vontade popular e ao princípio constitucional de que todo o poder emana do povo.

Já produzimos manifestações anteriores discordando dessa situação. Disso falamos na Escola Superior de Direito Eleitoral, ainda recentemente, em Fortaleza, para Ministros, Desembargadores, Juízes, Membros do Ministério Público e Advogados. Vemos o TSE abrandar essa posição caminhando na direção de exigir o nexo de causalidade entre o fato ocorrido e o potencial para alterar o resultado da eleição.

Entendemos que a corrupção eleitoral deve ser punida exemplarmente no âmbito criminal, de forma a abranger tanto a pessoa do corruptor quanto a pessoa do corrompido, porque ambos concorrem igualmente para a sua prática.

Isso porque a atuação do eleitor é decisiva na corrupção eleitoral, na medida em que muitos não votam com a consciência e entendem que a eleição é um momento para captar vantagem (ganhar um sapato, uma passagem para visitar parentes distantes, etc.).

Se o eleitor for consciente, ainda que forçado a aceitar a oferta de um candidato, condicionada ao voto, em razão das suas necessidades prementes, votará em qualquer um, menos naquele corruptor, porque quem capta votos mediante corrupção certamente, se eleito, continuará praticando corrupção no exercício do mandato.

Não raro, eleitores dirigem-se aos candidatos fazendo pedidos de dádivas, sob a ameaça de que a sua negativa implicará na perda dos votos de toda uma família. Não raro, eleitores tentam os candidatos a corrompê-los.

A existência da corrupção eleitoral, de per se, não justifica a cassação de mandato, porque nem sempre influi ela no resultado da eleição. Apenas a repercussão no resultado da eleição deve desencadear a ingerência do Judiciário nas eleições, cassando o mandado, sob pena da Justiça Eleitoral estar alterando a vontade popular, indo na contra-mão da sua função que é tutelar o regime democrático.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato