artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 21 de Agosto de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A Temporada de Caça aos Prefeitos

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

            Recente reportagem da revista “Veja” colocou, mais uma vez, os políticos em foco. A reportagem menciona Prefeitos que foram cassados e estão sendo processados, por conta do desvio de verbas e por irregularidades administrativas.

            Também foram mencionadas técnicas para detectar indícios de corrupção, como sinais exteriores de riqueza dos administradores públicos e de seus familiares. Foram feitas, por fim, críticas acerbas aos órgãos de fiscalização, como o Tribunal de Contas do Município de São Paulo.

            Discordamos em diversos pontos daquela reportagem.

            Primeiro, porque peca ela pelo generalismo. A falta de caráter e de honestidade campeia por todas as profissões. E a política não destoa disso.

            Já vimos casos de jornalista matando a namorada, de Promotor de Justiça matando a mulher, de Juiz desviando verba pública, de advogado tentando corromper autoridades policiais, de autoridade policial sendo corrompida, etc..

            Existem sim políticos corruptos, assim como existem maus exemplos em toda a sociedade.

            Segundo, porque fez ela uma relação indevida entre a diminuição do número de Vereadores e a diminuição dos gastos públicos. Recente decisão do Supremo Tribunal Federal diminuiu o número de vereadores de diversos municípios. Essa decisão que, à primeira vista, diminui os gastos do Legislativo, a longo prazo vai demonstrar o contrário, na medida em que, ao invés de remunerarem servidores, as Câmaras Municipais passarão a gastar dinheiro em outras áreas, como, por exemplo, investindo em tecnologia, melhor remunerando os cargos existentes, observando os limites constitucionais, etc..

            A sobra do dinheiro no Legislativo, implica em necessidade de devolução da verba excedente para os cofres do Executivo, para o Prefeito gastar. Muito provavelmente, esse dinheiro permanecerá no Legislativo na forma de outros gastos que, se observarem os limites constitucionais previstos para a remuneração de Vereadores e de pessoal, serão legais. 

            Terceiro, porque coloca mais uma vez os políticos como “a bola da vez”, desestimulando aqueles que realmente têm intenções de fazer algo pela sociedade, que são lançados na vala comum dos corruptos.

            Está cada vez mais difícil ser político. Prefeitos há que empobrecem no exercício do mandato e que, ainda assim, deixam o mandato com inúmeras ações contra si, muitas vezes decorrentes de meras irregularidades administrativas.

            Muitos têm o direito de errar e, por vezes, os políticos não têm esse mesmo direito pois, quando erram, têm propostas contra si ações visando o ressarcimento do cofre público, porque, quando erra, o administrador público, inevitavelmente, causa prejuízo, ainda que de pequena monta e de forma culposa.

            Os Prefeitos são obrigados a dar satisfações a todos, ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas, aos Vereadores e, até mesmo, a qualquer cidadão, que tem o poder constitucional de pedir certidão sobre assuntos de seu interesse pessoal e de interesse da coletividade.

            Desestimular políticos com boas intenções, implica em entregar os cargos públicos para quem quer desfalcar o cofre público. Na medida em que ações contra Prefeitos e denúncias ocorrem de forma indiscriminada, a aspiração do cargo público passa a ser exclusiva daqueles que querem se locupletar com o dinheiro público.

            É preciso lembrar, antes de mais nada, que os Prefeitos, assim como os demais administradores públicos, são eleitos por nós. Nesse sentido, a corrupção dos Prefeitos reflete uma má escolha pela população.

            Diminuirá a corrupção quando a população tomar consciência da importância do voto. Enquanto eleitores trocarem seus votos por uma dentadura, uma cesta básica ou um par de chinelos, não se poderá esperar postura diferente dos administradores públicos.

           

 

            Não existem formas milagrosas para evitar ou detectar a corrupção.

            Prefeitos e ocupantes de cargos públicos que são corruptos devem ser exemplarmente punidos. No entanto, não se deve colocar a pecha de corrupto ou colocar sob suspeita aqueles que seriamente se dedicam às funções públicas.
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato