artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 25 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Da Possibilidade do Corte de Fornecimento de Serviços Públicos

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

Toda vez que um consumidor atrasa as contas de água, luz, gás, telefone, etc. paira a dúvida acerca da possibilidade, ou não, do corte do fornecimento. Sob o ponto de vista do Código de Defesa do Consumidor, os serviços prestados pelas concessionárias de serviço público são essenciais.

Fica então a pergunta: estão os serviços essenciais sujeitos a corte de fornecimento?

Sob o aspecto do princípio da dignidade da pessoa humana, consagrado pelo art. 1º, III da Constituição Federal, que se irradia para o Código de Defesa do Consumidor na forma de princípio da dignidade do consumidor, art. 4º, “caput” do CDC, não pode haver o corte de fornecimento, porque não há como viver sem água e sem luz, principalmente, com sadia qualidade de vida.

Obrigar o consumidor a viver no escuro ou sem água significa afrontar diretamente a sua dignidade. No que diz respeito à água, trata-se até de uma questão de saúde pública, podendo o consumidor adoecer, por conta do corte de seu fornecimento.

Chega o corte do fornecimento de água a colocar em risco o bem maior do consumidor que é a sua vida.

Telefone e gás são menos indispensáveis à vida do consumidor, mas, ainda assim, proporcionam-lhe conforto e tempo para a lida dos seus afazeres diários, donde se conclui que também o seu corte implica em depreciação da qualidade de vida.

Enfocando a questão segundo o CDC, portanto, seria impossível o corte de fornecimento desses serviços essenciais, por afrontar um princípio de direito, que é mais do que uma lei, consistente na dignidade do consumidor.

Resta saber como está sendo decidida a questão no âmbito dos nossos Tribunais.

Cumpre notar, nesse sentido, que o Superior Tribunal de Justiça, na maioria dos casos que julga, está decidindo ser possível o corte da prestação de serviço essencial desde que, avisado previamente da sua condição de devedor, o consumidor não tome qualquer atitude para sanar o problema.

O fundamento dessas decisões não está no CDC, mas sim no também princípio de Direito Administrativo segundo o qual o interesse público prevalece sobre o interesse particular.

Traduzindo, fosse observado o CDC e os consumidores continuariam se utilizando da água, da luz, etc. durante o período de inadimplemento, enquanto pendesse a ação judicial. Isso, dado o elevado nível atual de inadimplência, representaria a inviabilização econômica das concessionárias de serviço público, na medida em que o devedor só seria obrigado a pagar ao final do processo judicial, quando já tivesse usufruído, gratuitamente, anos e anos de serviços públicos.

Sem sombra de dúvida, ainda que se trate de um procedimento ilegal diante do CDC, o corte do fornecimento de energia acaba desmotivando o inadimplemento e, principalmente, o inadimplemento contumaz, fazendo com que só deixe de pagar quem realmente é miserável.

E esses miseráveis continuarão no escuro, sem água, e com as suas condições de vida depreciadas em prol do interesse comum, consistente na manutenção da atividade econômica das concessionárias, sem a qual a vida de todos, e não só dos inadimplentes, seria penosa.

Entre dois males, um individual e outro coletivo, optou a jurisprudência pelo menor deles.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato