artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 21 de Agosto de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


O Caso Best Mix

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

No dia 18 de março de 2004 foi veiculada no jornal “O Estado de São Paulo”, no caderno de Economia & Negócios, uma publicidade da rede Best Mix, anunciando um televisor de plasma de 42’’ Philips pelo preço total de R$2.199,00, ou em dez pagamentos de R$219,90.

Na mesma data, diversos consumidores deixaram os seus afazeres diários para efetuar a compra tentadora, quando então souberam pela empresa que teria havido um “erro de digitação” e que o preço real do produto anunciado era R$21.990,00, passíveis de pagamento em dez prestações de R$2.199,00.

Diante do alegado equívoco, a rede recusou a venda aos consumidores, alguns dos quais compareceram à Delegacia de Polícia para lavrar boletim de ocorrência.

Entrevistados sobre o ocorrido, representantes do PROCON/SP entenderam que, de fato, a rede não estaria obrigada ao cumprimento da oferta, uma vez que havia disparidade gritante entre o preço real da televisão e o preço anunciado, o que estaria a demonstrar que os consumidores que compareceram às lojas para efetuar as compras teriam agido de má-fé.

A interpretação da questão deve ser encarada sob o enfoque da denominada teoria do risco da atividade, segundo a qual os fornecedores correm o risco de auferir os lucros e prejuízos decorrentes do exercício da sua atividade.

No caso, a despeito do valor anunciado representar dez por cento do preço da televisão, pessoas certamente compareceram às lojas sensibilizadas pela publicidade, sem qualquer sentimento de má-fé.

Existem televisões boas e grandes, que não são de plasma, pelo preço anunciado, o que torna a publicidade suficientemente precisa a ponto de atrair os consumidores e vincular o fornecedor.

O art. 30 do CDC estabelece que qualquer oferta ou publicidade suficientemente precisa, como a do caso, tem o poder de vincular o fornecedor, obrigando-o. Isso significa, no caso, que a Best Mix era obrigada a vender a televisão anunciada aos consumidores, nas exatas condições do anúncio.

Quanto ao prejuízo desta medida, cabe dizer que a falha se deu por culpa da Best Mix ou de alguém por ela designado para realizar o anúncio, sob a sua responsabilidade, o que significa que, uma vez criada a expectativa no consumidor, a oferta deveria ser cumprida.

Existe sim uma corrente doutrinária favorável à tese da Best Mix e à tese do PROCON. No entanto, tratando-se este último de órgãos estadual de proteção dos consumidores, têm-se em mente que o seu dever era orientar o consumidor diante da corrente doutrinária que lhe é mais benéfica e não defender o fornecedor, como ocorreu no caso.

Uma coisa é certa, questões como essa não podem passar impunes ou esquivar de responsabilização os fornecedores, mediante um simples pedido de desculpas ou retratação. Os anúncios publicitários, da mesma forma que acarretam, como regra, grandes benefícios patrimoniais aos fornecedores, quando incorretos devem ensejar a sua responsabilização.

Esse é o risco da atividade! As decisões judiciais deste caso certamente virão para dizer quem tem razão.

 

 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato