artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 26 de Junho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Os Transgênicos e a Liberdade de Escolha dos Consumidores

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

A partir de agora, todos os produtos que contém soja transgênica (geneticamente modificada) devem discriminar tal informação na embalagem, a fim de que o consumidor decida se quer ou não consumir os produtos transgênicos.

Essa medida governamental veio em boa hora, uma vez que há quem diga que já consumimos transgênicos há muito tempo, sem saber. Ainda que a produção através de transgênicos seja muito maior do que a comum, tendo o condão de resolver o problema da fome nacional, os especialistas ainda não estão certos sobre a sua segurança, especialmente quanto a reflexos futuros na saúde humana.

Enquanto a dúvida sobre a segurança dos transgênicos persiste, deve o consumidor ter a liberdade de escolha e de opção entre o produto transgênico e o não transgênico.

Houve muita relutância do setor em identificar o produto transgênico, em virtude do risco desses produtos ficarem encalhados nas prateleiras. Temem os fornecedores a perda da sua produção transgênica, em razão do receio dos consumidores.

Agora, quem for surpreendido vendendo produtos transgênicos sem identificação dessa qualidade, poderá ser apenado com multas milionárias. É certo que essa medida governamental, para que tenha eficácia plena, terá que ser objeto de rigorosa fiscalização.

No entanto, também não há dúvidas de que a sua simples estipulação já melhorará de alguma forma o mercado, na medida em que aparecerão nas prateleiras dos supermercados produtos com a discriminação da sua natureza transgênica.

Um dos direitos básicos do consumidor é a informação. O consumidor tem o direito de ser informado sobre potenciais riscos do produto que adquire. A simples omissão dessa informação essencial já desencadeia para o consumidor a proteção do CDC, podendo ele, inclusive, desfazer o negócio, ou seja, pegar o dinheiro de volta e devolver o produto.

Na prática, contudo, é impossível para o consumidor identificar se o alimento é ou não geneticamente modificado. Tal característica só é passível de ser notada através de exames laboratoriais, inacessíveis ao consumidor comum.

Por isso, se diz e se repete que a exigência de discriminação nos rótulos da embalagens só terá o efeito pretendido pelo governo, que é assegurar a liberdade de escolha do consumidor, se houver intensa fiscalização dos órgãos governamentais, principalmente agora no início da sua implantação.

Enquanto os cientistas não definem os reais riscos acarretados pelos transgênicos, caberá ao consumidor decidir se consome ou não tais produtos. Não cabe aos fornecedores empurrar os produtos transgênicos goela abaixo dos consumidores.

 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato