artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 26 de Junho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Vereador Analfabeto

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

Não vamos tão longe. O vereador, assim como qualquer postulante a cargo público precisa ser, ao menos, alfabetizado. Já o eleitor pode ser analfabeto. Basta querer ser eleitor. O analfabeto não é obrigado a tirar o título, mas, se tirar, será obrigado a votar.

            De quando em vez volta o tema da necessidade de, o candidato a cargo público derivado de eleição, ter essa ou aquela graduação escolar. Não concordo. Entendo que o eleitor alfabetizado pode, sim, ser candidato a qualquer tipo de mandato popular.

            Num sistema que se pretende seja democrático, quanto maior a participação popular maior será a autenticidade da democracia. E, os eleitos devem ser o extrato médio da sociedade em que vivem. Devem ser eleitos doutores. Devem ser eleitos bancários. Devem ser eleitos religiosos. Tudo culminando com a maior representatividade possível.

            Ora, não há como negar que o povo brasileiro padece do mal da educação inferior, desprovida de maior profundidade. Aqui e ali se tenta a correção de erros anteriores determinando-se a aplicação de 25 % da receita orçamentária em educação, sob pena ofensa à própria Constituição Federal. Obriga-se o estado a dar escolaridade até os 14 anos. Criam-se programas bolsa-escola de forma a tirar o menor de 14 anos do trabalho complementar para o sustento da família. Tudo isso para priorizar, e é correto que assim seja, a educação.

            Diz-se também que, para votar, o eleitor deve ser alfabetizado. Entretanto, a esse analfabeto é permitido, é obrigatório, diga-se mais, que pague impostos até para atividades de consumo mínimo como alimentos, vestuário e remédios. O analfabeto paga, mas, na ora de votar diz-se que ele é incapaz de melhor escolha.

            Nem se faça a comparação entre a falta de cultura do atual presidente da República e os muitos títulos do anterior. É possível adquirir cultura através da vida bem como, a melhor formação cultural não é (e isso está provado) garantia de melhor atuação do detentor do mandato. Cultura mal aproveitada leva à esperteza e desanda na corrupção. O mandatário menos letrado é mais cuidadoso sobre o que faz e o que diz, pelo medo da sua falta de cultura.

            Vem-nos a mente o teste de alfabetização feito por aquele juiz da cidade serrana do interior de São Paulo. Na dúvida, convocou vários candidatos e levou-os ao Tribunal do Júri onde aplicou-lhes um ditado tirado da Constituição da República. Aqueles que não se sentiram intimidados com o local, foram arruinados pelas palavras desconhecidas e de muitas sílabas. Um desastre que foi reprovado, logo em seguida, pelo Tribunal Superior Eleitoral.

            Afinal eleição é povo, não é elite. A menos que se queira pretender candidatos com curso superior, talvez, advogados ou jornalistas, quem sabe, tudo numa evidente ação anti-democrática e contrária ao princípio de que todo o poder emana do povo. O mais certo, o mais moral é procurar transformar todo o povo em elite. Aí sim, ficará mais fácil escolher.

           

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato