artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Naquele quarto friento

Por: Marcos Lopes

Naquele quarto friento.

 

- alô, e ai, meu anjo, será que dá para sairmos hoje?

- Sabe o que é – disse ela pensando numa resposta criativa para persuadi-lo – marquei de sair com umas amigas e acho que hoje não vai dar.

Ele convencido de que sua namorada realmente sairia com as amigas, passou o sabadão à noite pescando mosca em seu quarto friento. Alguns amigos o chamaram para pegar uma balada, ele recusara, alegando que estava sem pique, que trabalhara o dia inteiro e estava mortinho.

Os amigos... Os amigos fingiram acreditar na resposta do amigo. Enquanto os que chamaram-no para sair sacudiam os esqueletos, ele pescava mosca em seu quarto friento. A fotografia de sua garota estampada na porta do guarda-roupa deixava-o ansioso. Ele passou à noite em claro imaginado o que ela estava fazendo, por um momento sentiu-se traído, mas logo veio à sensação do bem-estar, levantou-se, tomou um banho gelado para dissimular a cara de cansado e saiu para distrair-se um pouco.

Passado algum tempo, chegou em casa eufórico perguntado se alguém havia ligado, ficou insatisfeito com a resposta, preferiu não ter perguntado nada, em seguida o telefone tocou, até parecia pirraça, seu órgão muscular central da circulação do sangue cavalgou em seu peito, por um instante imaginou centenas de coisas para dizer, mas, a voz masculina do outro lado da linha dilacerou todas palavras que ficara engastada na véspera, a desilusão e o medo de ter possivelmente fracassado mais uma vez no amor, fez com que ele ficasse mais uma vez pescando mosca em seu quarto friento.

- Alô, e hoje, será que dá para nos vermos?

- Ligue-me mais tarde e conversaremos melhor!

 Ainda havia uma minúscula chama de esperança acesa naquele carente, puro autêntico coração, ele seria capaz de gastar seu último centavo para fazê-la feliz, daria o que nunca tivera para vê-la sorrir, e tudo que tinha em troca era a ingratidão daquela garota desalmada, trabalhava pensado em seu sorriso, sua diversão dependia da dela, vivia em sua função.

- Alô – era ele ligando novamente para saber se daria para se verem naquele dia – ela não está? Obrigado, avise-a que eu liguei.

Tudo em sua volta parecia ser tão insignificante, seu trabalho, sua família e até mesmo sua vida, nada mais fazia sentido a não ser ficar pescando mosca em seu quarto friento.

Duas semanas se passaram, a viagem lhe fez pensar um pouco menos na garota, durante o período em que ficou fora ele saiu, dançou, bebeu e até mesmo envolveu-se com outras meninas sem que as lembranças da sua interferissem, desde quando conheceu a sua namorada, aquela foi única vez em que não ficou pescando mosca em seu quarto friento, a partir daquele dia descobriu o outro lado da vida, descobriu que muitas vezes devem-se deixar as coisas fluírem, acontecerem naturalmente.

A fotografia de sua “ex” ou ainda seria sua atual namorada? Enfim, a fotografia de sua garota estampada na porta do guarda-roupa, desta vez não o machucou como da última vez. Debruçado em sua cama, seus dedos corriam livremente nas teclas do telefone, tinha ânsia em falar-lhe, necessitava ouvir aquela voz doce, macia. A paixão enfurecia tua alma deixando-a tristonha, o telefone não tocou o dia inteiro, e voltou mais uma vez a pescar mosca em seu quarto friento.

Toca telefone, toca, por favor, toca. Este era o seu principal desejo.

-         Alô sabe o que eu estava pensando? De nós irmos assistir aquele filme que irá estrear hoje nos cinemas e...

-         Seria legal – respondeu ela reacendendo aquela chama que quase apagara de seu coração – mas é que estou estudando, aliais, o vestibular está chegando.

Mais uma vez o coração daquele jovem espatifou-se em minúsculos estilhaços, quantas e quantas vezes não se flagrou prometendo para si mesmo que não mais ligaria, apagou o número do telefone dela de sua agenda. Foi difícil, mas conseguiu não mais ligar para ela, o telefone passou a ser seu pior inimigo, olhava para o aparelho com desprezo, mas sempre que o mesmo tocava, ele torcia para que fosse ela, a desilusão ainda continuava, devorava-o lentamente, ela nunca mais ligou, nem mesmo para saber como estava aquela "alma-penada", se estava bem ou mal, nem mesmo um... Alô.

O homem pode se esconder de tudo e de todos, mas, nunca de seus problemas e de seu destino, com ele não foi diferente, até hoje não sabemos se o "senhor destino" realmente queria lhe pregar uma peça, ou se apenas queria ser sarcástico com ele. Foi justo na feira de domingo que a encontrou, admirou-se em revê-la, como estava diferente.

Conversou o suficiente para entender que em seu ventre gerava uma criança, sim, uma criança. Ele a entendeu, apesar de não se conformar com a traição da ex-namorada, quando soube que o pai da criança foi embora sem dar a ela ao menos uma explicação. Propôs que ela o procurasse caso faltasse alguma coisa para a criança, aliais, ele a amava.

Ele cumpriu com a palavra, sempre esteve ali para o que desse e viesse, enfrentou sua família, seus amigos, as pessoas tirando sarro, mas, conseguiu conquistar seu objetivo; reconquistou, se é que alguma vez ele havia conquistado,  o áspero coração da garota que tanto amava, registrou a criança e nunca mais ficou pescando mosca em seu quarto friento. Ele agora estava feliz, será que existe felicidade maior que morar com uma mulher infiel e ainda assumir o fruto da traição?

Bom, como toda historia termina com final feliz... Está foi diferente, uma certa noite quando chegava cansado do trabalho, encontrou no caminho o co-responsável da traição de sua namorada, cabisbaixo, desceu a rua carregando sua marmita embaixo do braço, o sujeito o seguiu e numa esquina sombria o agrediu com um bastão até sua morte, fora morto pelas mãos do pai de seu filho.

À noite de sabadão ela não saíra e ficou pescando mosca em seu quarto friento.

 

 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato