artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 15 de Dezembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Campanha Secreta?

Por: Alberto Lopes Mendes Rollo

Está na moda, nos últimos dias, falar-se em “pacto para uma campanha limpa”, querendo isto dizer, que mesmo a lei permitindo expressamente, os partidos políticos e candidatos não colocariam faixas, placas, cartazes, banners, ou materiais semelhantes, expondo-se aos eleitores, nas ruas, avenidas, e mesmo nas pinturas dos muros particulares, devidamente autorizados pelos proprietários.

Fala-se na “poluição visual” que isso pode causar, principalmente nas grandes cidades. Entretanto, ousamos discordar de tal “pacto” e da posição daqueles que o defendem, por uma razão muito simples: estamos em período de propaganda eleitoral, de campanha com todos os meios lícitos possíveis, de modo a permitir aos eleitores, pelo menos saber os nomes dos candidatos, os cargos que postulam, sua fotografia, seu número.

Não socorre os defensores desta idéia a existência do horário eleitoral gratuito, por que além dele só começar na metade de agosto, justamente a camada da população que deveria ser atingida, encontra outra forma de distração naquele horário. E, além disso, os “donos” de partido limitam as aparições a uns poucos privilegiados.

A quase totalidade daqueles que defendem o tal “pacto” é constituída por pessoas com excelente nível intelectual e cultural, com quase toda certeza, já sabendo, sem precisar ver os cartazes, as placas e os muros, em quem votar. Mais e o cidadão comum? E aquele que não teve as mesmas condições de vida? E aquele que não assiste às entrevistas do Roda Viva (da TV Cultura, até agora excelentes por sinal) a fim de formar a sua própria convicção? E aquele que não lê o jornal, nem no fim de semana? Enfim, para a grande maioria da população, a exposição da figura, do número, do nome, é suficiente para dar notícia da existência do candidato. Esta grande maioria, isto é fato, infelizmente, não está preocupada com programa de governo, com o passado bom ou ruim dos candidatos. Deveria sim, mas não está.   

Esta preocupação maior, que deveria ser regra, não exceção, é a que temos e é a que tem justamente aqueles que defendem o tal “pacto”, já que não dependemos, para nossa convicção, de ver faixas, cartazes e muros pintados e espalhados pelas cidades.

Mas nós não somos a imensa maioria, e para aquela, qualquer “pacto” neste sentido tira a possibilidade da ampla escolha, talvez até fraudando a própria democracia que tanto defendemos.

Preferimos pensar que um pouco mais de sujeira e poluição (além daquela já tão presente no nosso cotidiano) é um preço pequeno a ser pago em função da aproximação de toda a população (e não somente de alguns) aos candidatos.

Por outro lado, já assistimos uns e outros aderindo ao tal “pacto”, alegando adiantadamente que a partir de agora, as milhares de faixas e cartazes que porventura tragam a sua imagem, teriam sido colocadas sem autorização, por algum apaixonado correligionário, menos avisado. Ou seja, o candidato diz ser a favor de não se poluir a cidade com propaganda eleitoral, mas estimula, ainda que veladamente, a ampla colocação, sob a desculpa de que não foi ele quem pediu ou autorizou.

Mais ainda, já ouvimos também a famosa desculpa de que eu sou a favor, mas como meu oponente faz, não há outra possibilidade, a não ser fazer também.

Para você leitor – que também faz parte de uma minoria – fica a reflexão, é correta a defesa de uma CAMPANHA SECRETA e sem a opinião livre da imprensa?

As limitações em época eleitoral atingem também a imprensa escrita, mas, principalmente o rádio e a televisão, que sofrem restrições configuradoras de verdadeira censura. Também aqui vige o princípio latino de tutela à vontade do povo. O povo não pode ser influenciado. Nem por poluição visual, nem por opinião da mídia.

“O povo não sabe votar”, já disse aquele famoso jogador de futebol do passado. Aqui também fica a nossa discordância. Que o povo possa sofrer influência da mídia e tome sua decisão. Que seja importunado pela poluição visual e possa decidir em favor da campanha limpa.

O que não se pode é querer tutelar a vontade do povo.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato