artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 27 de Junho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Rap Comercial

Por: Garoto Loko (IT)

Venho através deste artigo expressar minha opnião " insatisfação" diante a nova ordem da música nacional. Durante anos e anos militantes, guerreiros, e vidas loka do RAP vem suando a camisa e correndo atrás para manter vivo a cultura do Hip Hop.

Sem ajuda e nem reconhecimento federal ou qualquer instancia econômica, cultural ou política considerável. A não ser do mano ou simpatizante mais próximo que acredita na correria dos rappers. Quando falo em manter vivo a cultura, não falo apenas em manter vivo o estilo musical e sim a corrente positiva que se forma em torno das injustiças e irregularidades sociais abraçadas pelo movimento. A todos do Hip Hop que amam de verdade esse estilo e cultura, sempre fomos discrminados, rejeitados, excluídos, enfim, todo espaço e grito ecoado pra levar o movimento aonde está foi do esforço, da coragem, da fé, da correria dos mano que tão ai dia e noite, diante de sol e chuva nesse mundão de vida loka fazendo a sua idéia, sua crença de fazer um mundo mais justo e mais igual.

Ora por sua vez, quando muitos que ignoraram e nunca estenderam a mão(não tô chorando não) percebem a importancia e o valor do RAP como um novo segmento de sociedade civil e pivô de construção de responsabilidades sociais, eles (a mídia) metem a mão e começam a fazer da nossa cultura um produto comercial dessa economia nacional que pouco, se não quase nunca, olha e investe em cultura.

Estão fazendo o Hip Hop escravo gerador de capital  em pró desse mundo globalizado como se nada tivesse acontecido e algum dia tivessem sido nossos parceiros. Quando na verdade sempre foram racistas e excludentes da linguagem periférica. De onde nasceu essa balela de que chegou a vez do rap? de transformar nosso som em trilha de novela? A vez do RAP não chegou...sempre esteve ai pra quem tem bons ouvidos e e bons olhos, sempre foi feito pelos guerreiros que todos os dias se sensibilizam pelas tretas embassadas que ocorrem no submundo.

Um Salve aos verdadeiros!

Um salve ao www.capao.com.br

Igor Tanigushi

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato