artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A base perdida

Por: Ademiro Alves (Sacolinha)

Carlos Colombo sempre foi um homem que adorava viver, porém, o que o destino lhe reservou mudou totalmente a sua adoração á vida.

 

Homem de seus trinta e oito anos, casado com Mariliza desde 1985. O casal tem duas filhas, uma com nove anos de idade e a outra com onze.

Tudo se iniciou quando Mariliza começou a desconfiar do marido, homem extrovertido, brincalhão e sempre pronto para as intimidades do casal.

Ele era diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Carapicuíba, seu trabalho era esse. Militava num partido de esquerda e quase não tinha tempo para a família.

 

Houve a época em que vez ou outra chegava em casa tarde, jantava e ia direto para a cama. A esposa perguntava:

- Não vai tomar banho não Amor?

Carlos respondia que havia tomado banho no sindicato, sem se dar conta que lá não havia chuveiro e que a mulher sabia disso.

Várias vezes Mariliza passava horas tentando estimular o marido para o sexo, mas Carlos sempre arrumava uma desculpa. Para a esposa isso já era demais, conhecia o seu marido e alguma coisa de errada estava acontecendo.

Diversas noites ela sofreu de insônia, pensando na possibilidade do marido estar traindo-a. Nessas horas brigava com a sua própria consciência: “O Colô não pode estar fazendo isso comigo. Temos uma vida familiar muito boa e financeira também”.

Ela não conseguia se segurar. Todas ás noites costumava pegar no cesto as roupas usadas pelo marido durante o dia, para procurar fios de cabelos e sentir algum perfume estranho. Vez ou outra achava alguma coisa que confirmava a sua suspeita.

Pra não fazer papel de boba e ter certeza do que estava imaginando, usou metade do salário que ganha como professora do ensino fundamental, para pagar um detetive.

O resultado foi o que estava sendo imaginado por ela. Carlos Colombo estava traindo Mariliza com uma vereadora do partido em que militava. Na linguagem feminina estava sendo um cafajeste e na fala dos homens estava sendo o Ricardão, já que a vereadora também era casada.

Mariliza pediu o divórcio e foi para a casa da sua mãe em Minas Gerais, levando junto consigo as duas filhas.

No decorrer dos meses Carlos Colombo foi regredindo. Após os seus porres constantes foi perdendo os amigos e colegas. A vereadora também se afastou.

Sem as devidas articulações, não conseguiu se manter na diretoria do Sindicato. Ficou sem emprego para se manter. A casa estava nas mãos do advogado contratado por Mariliza.

Carlos Colombo começou a se lamentar solitariamente:

- Pô Liza, só agora que você me abandonou é que percebi o tanto que te amo.

O sorriso sumiu, as piadas foram esquecidas ou deixadas de lado, e a vontade de viver está sendo escarrada todos os dias junto com a saliva misturada com pinga que, Carlos bebe para suportar o sofrimento de viver nas ruas da cidade de São Paulo.

 

                                                                      Ademiro Alves (Sacolinha), é escritor

                                                            do livro “Graduado em Marginalidade”,

                                                         romance que será lançado em agosto de 2005.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato