artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Domingo - 28 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Crônicas

Por: Marco Garcia

Caro leitor, a seguir você terá a sua disposição algumas crônicas a respeito de uma paixão antiga minha: O futebol.

 

 

 

A descoberta do passe

Casualmente, estou lendo um livro daqueles que, iniciado a leitura, você não pára antes que as páginas tenha acabado. Trata-se de um livro de crônicas do mestre Armando nogueira. Logo no começo do livro, há um relato em que ele cita o seu amigo Otto Lara Resende. Nesta crônica, mestre Armando soltou uma frase que soou-me como uma pérola: "O passe é diálogo, é descoberta". Segundos após ler essa poesia, recordei-me de um lance singular ocorrido no último clássico entre Palmeiras e Santos, realizado no Palestra Itália. O lance aconteceu na primeira etapa do jogo, não sei precisar o momento, se antes ou depois, do primeiro gol da equipe alvi-verde. O time do Santos estava no ataque, com seus jogadores trocando passes na entrada da área do goleiro Marcos. De repente, a bola foi parar nos pés do meia Ricardinho, o cérebro da equipe da baixada. Ricardo levanta a cabeça, olha a seu redor, e não vê ninguém em condições de receber a pelota. Mas, numa rapidez incrível e numa visão de jogo digna de um Ademir da Guia, gira levemente o corpo, e com uma não menos incrível categoria que Deus lhe deu, dá um mísero toque por cima do mar de jogadores de camisas verdes. E, para "canonizar" o velho Armando Nogueira, Ricardinho descobre o centroavante Deivid, em clara condição de arrematar a redonda para as redes adversárias. O que, na sequência do lance, não se concretizaria. Porém, ficou gravado na minha memória aquele momento de rara beleza e maestria protagonizado por um jogador que sabe o que fazer quando tema a bola sob seu domínio. Contudo, são por jogadores desse nível, e jogadas belas como essa, é que o futebol mundial não sobrevive sem a inteligência e magia dos futebolistas brasileiros. Vale o quanto pesa...

 

São Paulo, 10 de março 2005

 

 

Nova balisa para o guarda-metas

Ouvindo atentamente a um programa esportivo pelo rádio, uma notícia me chamou a atenção e, ao mesmo tempo, causou-me surpresa. O repórter, do Rio de Janeiro, informava que o goleiro Wágner, que sagrou-se campeão brasileiro pelo Botafogo carioca, em 1995, agora, encerrada a sua carreira, ganhará o sustento de sua família do banco. Porém, não será do banco de reservas de algum clube como técnico, e sim, como motorista de Táxi. Sinceramente, tenho poucas recordações desse guarda-metas. Um único jogo que me vem à lembrança, com o Wágner atuando, é exatamente aquela final contra o time do Santos. No primeiro jogo, no Maracanã, a equipe do Fogão contava com a força  do artilheiro Túlio Maravilha e do pantera Donizete. Nesta partida, o camisa 10 da equipe da baixada santista, era o sumido meia Giovanni que, aliás, jogou uma enormidade naquele dia, e tirou de letra o duelo com o goleiro do time da Estrela Solitária, vazando as redes duas vezes. Enfim, neste momento, fico a imaginar, quão delicioso não vai ser o bate-papo entre um passageiro qualquer e o ilustre motorista, nos minutos em que durar uma corrida. Eu, por exemplo, se por acaso, fosse ao Estado Fluminense, e tivesse o prazer de entrar no Táxi do Wágner, daria a ele o destino mais longínquo possível, só para tirar proveito de sua experiência nos gramados.

 

São Paulo, 28 de março 2005  

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato