artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quarta - 19 de Setembro de 2018
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Fanfarrões de outrora

Por: Flávio Rodrigues

A indignação tem sido o ar respirado pela massa, pelo coletivo. Revolta.

Tem sido árdua a rotina de tentar engolir “explicações” circenses dos queridos depoentes e parlamentares nos mega-eventos que têm sido as sessões de interrogatórios das CPIs. Cada um no seu cada um (desculpem o jargão necessário). A explanação, feita por deputados, senadores e afins acerca de assuntos “esmiuçados”, tem se confundido com discursos políticos insólitos e vazios.

 

Cerca de 40% do Congresso Nacional está envolvido nos escândalos que se sucedem. O restante ficou encarregado de apurar, analisar e julgar as informações obtidas e, quando comprovada a existência de ligação com este ou aquele crime, sentenciar de forma exemplar a quem é de direito. Ótimo? Talvez.

 

Vejamos: ainda não foi comprovada a origem de todo o combustível que percorreu os “valeriodutos”, e que se embrenhou à máquina estatal corroendo-a e provando que a “força da grana constrói e destrói coisas belas”. Sua nascente e foz. Sucessivamente estouram aqui e acolá indícios de mais envolvidos com aquilo que já é parte de um, na minha opinião, triste momento histórico. Admitir que os interrogatórios e até mesmo julgamentos sejam feitos por aqueles que são pares dentro da estrutura governamental é, no mínimo, uma questão discutível. É legitimar o possível acobertamento de determinadas ou específicas áreas que poderiam ser minuciosamente investigadas. Obviamente, com tempo suficiente.

 

O que se põe em questão, aqui, é exatamente a integralidade de cada membro eleito através do pleito popular que o concedeu representatividade democrática.

 

Deixo, então, a cargo da consciência de cada individuo a possibilidade de se questionar o que parece irrevogável e que foi incrustado por fanfarrões de outrora no corpo do gigante Brasil.

 

Deixemos de lado o contentamento descontente.

 

 

Flávio Rodrigues

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato