artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quarta - 22 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Lugar de pele escura

Por: Marco Garcia

É onde moro. As casas são minúsculas; umas se escorando nas outras. É que por aqui, o espaço é reduzido. Quem consegue um pedaço de chão de 3 metros quadrados já pode se considerar um latifundiário.

Becos, vielas, ruas de terra batida, escadões, um verdadeiro labirinto que serve de moradia para os esquecidos socialmente. Um lugar onde a molecada passa o dia sentada nas calçadas esburacadas. Quando não, recorrem aos pipas; um dos poucos divertimentos que a periferia possui. É onde moro.

Um lugar em que o morador é obrigado a construir um anexo ao barraco, de mais ou menos um metro quadrado, e entupir as paredes de prateleiras nas quais estarão o líquido maldito que destrói muitos lares por aqui. É onde moro. Cada um segue seu caminho quando a sua sobrevivência está na pauta do dia. Mesmo que para se salvar cause a derrocada de outros. É onde moro.

Lugar em que os fins justificam os meios. O povo daqui tem a pele escura. O povo daqui tem a pele parda. Brancos? Alguns... Mas com sangue negro circulando continuamente pelas artérias. É onde moro.

Lugar esquecido um minuto após o resultado das urnas. Lugar marginal. Não no sentido de que tem esse nome pelo fato de morar aqui somente bandidos, mas pelo fato de sermos obrigados a viver nas extremidades da cidade. Se alguém olhar o mapa dessa metrópole verá que estamos quase fora das cercanias. Estamos às margens da sociedade. Só temos valor como mão-de-obra barata para a chamada elite. Nós somos para eles a senzala dos tempos modernos. Só temos o direito de ultrapassar os limites geográficos apenas para servir os "Senhores de Engenho" das "Casas Grandes" do centro espandido da capital paulistana. Após isso, devemos retornar para não comprometer o sucesso do projeto belezura que se instalou por lá. É onde moro.

Lugar onde o Estado não dá as caras. Até dá, mas em uma forma subumana: Inimigos sob farda cinza. Lugar de gente sem oportunidades. Lugar de gente sem perspectova de futuro. Lugar de gente sem projetos de vida Para muitos, o ideal de vida é casar e morar em dois cômodos alugados, e trabalhar como auxiliar de alguma coisa. É onde moro.

Lugar em que os sonhos são reprimidos. A escola não incentiva o crescimento pessoal. Aqui, a educação, a exemplo da saúde, é uma instituição em estado falimentar. É onde moro. Lugar onde a miséria justifica o roubo. Lugar onde o desvio de conduta é a única saída para uma melhora na situação vivida. Lugar onde a tirania dos meios de comunicação, com a sua apologia do consumismo desenfreado, leva os moleques, cada vez mais novos, a um desvio na rota da vida. É onde moro.

Notícia em jornal só quando ocorrem mortes violentas. Trabalhadores que acordam às cinco da madrugada, e enfrentam lotações entupidas para irem ao trabalho, e somente às oito da noite retornam ao seio da família, infelizmente, não faz subir a audiência. É onde moro. Lugar onde a mãe não come para que os filhos não passem fome.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato