artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 25 de Abril de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Um novo muro de Berlim

Por: Marco Garcia

No domindo à tarde fui buscar a Andréa lá na agência onde ela trabalha. Era mais ou menos 6h20 quando estacionei o carro em frente ao prédio. A pedido de Andréa, deixei a frente do Kadett virada para a avenida 9 de julho, que era para sairmos rápido do local.

Por alguma razão, a reunião que ela participara num hotel da Faria Lima atrasou, razão pela qual fui obrigado a esperar alguns minutos além do combinado. Mas, tudo bem, eu estava tranquilo, e assim fiquei dentro do carro ouvindo música até a sua chegada.

Caro leitor, o intuito dessa prolixa introdução é o de contar a você algo que acabei percebendo naqueles minutos que fiquei observando o fluxo dos veículos de um dos mais movimentados corredores desta paulicéia.

Durante a 1h20 que fiquei olhando o passar dos carros, notei que não passou por mim nenhuma viatura da Polícia paulistana. Nenhuma sequer.

E este fato constatado me fez refletir sobre de um assunto que há muito tempo venho lendo, ouvindo e assistindo personalidades falarem a respeito, sem que eu desse a mínima, sem que eu desse para ele nem 5min de um estudo superficial, coisa que tentarei fazer a seguir nesta crônica.

Pois bem, desde o início do curso de Jornalismo, participei de muitos debates acalorados quando o professor Zeca(disciplina de Sociologia), colocava como tema de discussão o direito que a polícia tem de praticar a violência legítima contra quem ela bem entender. Nesses debates, meus colegas de classe se exaltavam contra essa legitimação da violência, dada de mãos beijadas à polícia.

No mês de maio assisti uma entrevista que o rapper carioca MV Bill deu ao Roda Viva da tv Cultura. Nela, Bill disse, entre outras coisas importantes, uma frase que corrobora para justificar a desigualdade de tratamento dispensado por policiais à parcela mais pobre da população. As palavras de Bill(confirmadas na entrevista deste mês da Caros Amigos), me vieram à mente naqueles minutos que permaneci dentro do Kadett, na 9 de julho. Ele(que acaba de lançar um ótimo livro que relata a triste realidade dos garotos que vivem nas favelas do país sob o título Cabeça de Porco, que aliás, eu indico para os interessados no assunto), dizia lá no Roda Viva que a repressão que a polícia exerce, e as atrocidades que cometem nas favelas são o puro reflexo da exigência que a burguesia do Brasil faz.

Por extenção dessa linha de raciocínio, o jornalista e escritor, Caco Barcellos, relata em seu livro, Rota 66(editora Record), que a maioria dos assassinatos cometidos pelas Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar no início da década de 80, foram em razão dessa mesma exigência feita por empresários e comerciantes, com medo de perder parte da imensa riqueza que possuíam na época.

Para não me alongar muito vou concluir dizendo o seguinte: Sou morador de um bairro que localiza-se na periferia da zona sul dessa metrópole injusta e implacável que se chama São Paulo. E, a exemplo da maioria dos moradores, gente de bem, cidadãos que prestam contas ao governo com pagamentos contínuo de altíssimos impostos, sou testemunha ocular dessa imensa repressão que a polícia desse Estado exerce nas ruas do meu bairro.

Então, no domingo passado, lá na 9 de julho, pensava eu, enquanto aqui, neste bairro nobre, nestas ruas largas, limpas, bem arborizadas, cheias de seguranças particulares, repletas de mansões que se assemelham a castelos, num período de 1h20 não vi passar uma única viatura policial, podia imaginar que naquele exato momento, lá no meu bairro, nas ruas sujas, esburacadas, jogadas ao descaso das autoridades, vários carros da polícia estariam abordando a molecada, fazendo batidas nos botecos, perseguindo veículos "suspeitos", desmoralizando os moradores com xingamentos e palavras que, saídas das bocas oficiais, ferem os sentimentos de todos os que sempre lutaram para conseguir viver com um mínimo de dignidade. 

E o que mais dói, é que essa repressão é feita por influência dos "Senhores de Engenho da Modernidade" que mandam a polícia invadir a favela para reprimir e enclausurar seus moradores para que estes não levem prejuízos a seus patrimônios no futuro. Essa é a triste realidade vivida por mim e pelo povo das periferias desta cidade. Vivemos cercados por uma barreira policial, onde só nos é permitido ir às outras áreas da cidade somente para trabalhar nas "Casas Grandes". De resto temos que ficar o tempo todo isolados do mundo.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato