artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 27 de Julho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Só queria ler um livro

Por: Marco Garcia


De início o silêncio. O momento vivido por ele ali era um imenso vazio. Ele se via num globo rodeado de um grande vácuo. Um total maracanazzo.

Em menos de dois décimos de segundos a situação se reverte. O silêncio foi quebrado por uma sinfonia seguida de alguns dizeres.

Quebrou-se a morbidez do espaço vago. Nos primeiros acordes ele não deu muita atenção. Todavia, pela insistência da sua repetição, a "melodia" que saía das caixas de som daquele veículo construído especialmente para transportes de cargas, penetra a parte do  seu cérebro que é dotada da capacidade de identificações sonoras.

Sentado como está, imóvel, ele prossegue a sua leitura que iniciara apouco. Agora ela é feita com som de bg. O local que ele está, a sua casa, localiza-se em uma rua ligeiramente inclinada, o que a deixa livre do iminente perigo de enchentes.

A sua residência está estacionada ali há mais de dez anos. O veículo, juntamente com a trilha sonora, passa em frente do seu portão. O que faz com que ele escute, com melhor nitidez, a melodia e a locução.

Aquele conjunto de sons não lhe parecia estranho, já ouvira aquela harmonia em algum programa esportivo. Neste momento, o ritmo de sua leitura já não é o mesmo. A capacidade para decifrar os códigos, formados por consoantes e vogais, diminui. Irritado, ele xinga até a trigésima quarta geração do condutor do veículo e da empresa que o obriga a fazer um tour diário pelas alamedas de seu querido bairro. O som é incessante.

Ele fecha o livro, deixa-o em cima da cama, e sai na varanda da casa. Apóia as mãos na grade para observar o caminhão. Inútil, ele já havia se retirado do local. Só pôde visualizar um moço, de bermuda e sem camisa, indo com um botijão de gás, que acabara de adquirir, em direção da rua que contorna o muro do colégio.

Agora, o ambiente aparentemente calmo não consegue lhe satisfazer, pois ele sabe que, dali alguns minutos, a poluição sonora voltaria e, quem sabe, mais intensa. Era só o tempo de o motorista manobrar e voltar, em marcha lenta, para refazer o percurso.

Inconformado com aquele imbróglio todo, ele se recorda do tempo remoto em que o comércio de gás era feito por homens que iam, porta a porta, perguntando às donas de lares se elas não estavam precisando daquele produto destilado usado como combustível doméstico. De tempos para cá o sistema de venda mudou. Hoje, são caminhões barulhentos que não têm horário definido para passar.

Outro dia ele estava com o prato da janta posto, lá pelas 10h30, e começou a ouvir o barulho que a propaganda da empresa gaseificada fazia. Um absurdo, àquela hora da noite?

Já teve vontade de ligar e fazer as devidas e merecidas reclamações para o número que fica pregado na carroceria do caminhão, antes da frase: "Como estou dirigindo?". Afinal, aquilo que estão fazendo é, para ele, um total desrespeito com o cidadão comum e de bem que quer chegar em casa e ter, junto com a sua família, momentos de paz e tranqüilidade.

Porém, suas revoltas não vão além de pensamentos jogados ao ar. Ele, nessas horas, é pego praticando atos de puro conformismo. Desanimado, percebe o bico do "focinho" do caminhão que, manobrado, descia novamente a sua rua, resolve entrar e retomar a leitura. Mesmo que para entender o próximo parágrafo, terá que repetir zilhões de vezes todo o percurso ótico sobre as letras perfiladas como se estivessem na fila de algum espetáculo público.


 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato