artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 30 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


O RACISMO PARA MUITO ALÉM DO FUTEBOL

Por: Ivan de Carvalho Junqueira

            A questão racial se mostra um tema bastante complexo, de comportar, pois, uma série de pontos de vista, por vezes, contraditórios, seja pela ótica dos que vêm a atuar preconceituosamente, como, também, sob o prisma dos próprios discriminados a, por assim dizer, minimizarem tais atitudes em âmbito social em face do conformismo, pouco se importando com uma efetiva e não menos necessária mudança do statu quo. O racismo, no entanto, existe e, infelizmente, vem ganhando força, constituindo hipocrisia a afirmação de que este, porventura, haja diminuído.

            Tempos atrás, presenciou-se, uma vez mais, atos de natureza racista num estádio de futebol, quando um defensor do time do Quilmes, da Argentina, Leandro Desábato, veio a agredir, verbalmente, o atacante são-paulino Edinaldo Batista Libânio, o Grafite, dirigindo-se a este de forma pejorativa, o que veio a causar um grande alarde por parte da mídia em geral, obtendo grande repercussão. Na Europa, meses antes, atos como este também já haviam sido observados. Em um dado jogo então válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, entre Espanha vs. Inglaterra, bastava um singelo toque na bola para que dois atletas negros da seleção inglesa fossem humilhados, reproduzindo o público madrileño, sons de macacos, gerando, inclusive, profundo desconforto entre os governos destes países, ultrapassando, assim, a fronteira dos gramados. Em outros lugares, bananas eram atiradas em direção aos jogadores. Em março de 2005, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), veio a multar o Deportivo La Coruña, devido aos incidentes ocorridos durante um jogo contra o Real Madrid, no qual torcedores vieram a insultar o lateral brasileiro Roberto Carlos, em cada uma das jogadas deste ao longo daquela partida.

            Tais condutas, pois, apesar de indignarem os que ainda guardam um pouco deste sentimento para com as injustiças do mundo, não constitui novidade, sendo tão-somente a conseqüência de uma sociedade, por excelência, desigual e discriminatória, não só no que se refere a esta questão, como também, em termos sócio-econômicos. A despeito disto, certos estereótipos permanecem, vindo, inclusive, a se acirrar, numa retrógrada perspectiva de que os indivíduos, para serem respeitados, hão de ser, impreterivelmente, brancos, homens e, de preferência, ricos, bem ao gosto da vaidade então adstrita ao topo desta verdadeira pirâmide humana. Houve, ao transcorrer da própria história, sujeitos a defenderem, destarte, a supremacia de uma raça (com o perdão da terminologia, vez que isto não comporta distinções) frente à outra, pelo simples fato do formato do crânio, de maneira a se cogitar de uma certa propensão ao crime de cidadãos possuidores de alguns caracteres. Ao dizer de Gilberto Freyre, “...na inferioridade ou superioridade de raças pelo critério da forma do crânio já não se acredita; e esse descrédito leva atrás de si muito do que pareceu ser científico nas pretensões de superioridade mental, inata e hereditária, dos brancos sobre os negros” (Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 18. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977, p. 294), asseverando, ainda, com bastante propriedade, que “o que se sabe das diferenças da estrutura entre os crânios de brancos e negros não permite generalizações. Já houve quem observasse o fato de que alguns homens notáveis têm sido indivíduos de crânio pequeno, e autênticos idiotas, donos de crânios enormes” (Op. cit., p. 295).

            Em consonância à Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, “toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição” (Artigo II, 1.ª parte). De acordo com a Constituição de 1988, “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei” (CF, artigo 5.º, XLII), observando-se, ainda, a vigência da Lei n.º 7.716/89, a tratar com mais vagar do referido assunto.

            Mas, não obstante a tutela legal, a discriminação persiste, o que é inegável. E, muito dificilmente, encontrar-se-á algum indivíduo que não tenha ouvido, quando não da própria boca, expressões racistas, tais quais: “Isso só podia ser coisa de preto!” ou, ainda, que “O negro só serve pra isso!”, sem desprezo às inúmeras anedotas a - apenas - acentuar, uma vez mais, o trato dos brancos com relação aos negros. E o que é pior: sob um terrível consentimento por parte da maioria na mais que absoluta naturalidade, bem longe de se sensibilizar.

            A ascensão do negro na sociedade não deve ficar adstrita ao desempenho de uma ou outra atividade laborativa, levando-se à falsa constatação da inexistência de meios bastantes ao crescimento pessoal e profissional, além do futebol, das artes ou da música, a despeito de todos os preconceitos. Noutro aspecto, o exacerbado conformismo quando do exercício de um trabalho tido por subalterno, há de ser desconsiderado, jamais sendo visto quão fosse uma desonra, sob pena de reforçar a difundida idéia já perpetuada pelas classes hegemônicas de que as pessoas da cor negra não seriam capazes de alçarem vôos mais altos, socialmente falando, o que é uma inverdade, ademais das muitas barreiras.

            À lição de Martin Luther King Jr., “nós não podemos estar satisfeitos, e nós não estaremos satisfeitos até que a justiça escorra como as águas, e a integridade, como uma poderosa corrente”.

 

Ivan de Carvalho Junqueira, 24, é bacharel em Direito

ivanjunqueira@yahoo.com.br
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato