artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 23 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Liberdade simulada

Por: Garoto Loko (IT)

     Há muitos que se ouviu falar na conquista feminista frente a sociedade, ouvi-se falar na revolução feminina e sobre os novos postos que ocuparam no campo de trabalho e frente a imposições e posturas pessoais.
     Mas existem diversos parametros para essa conquista feminina. Que para mim divido em conquista digna, simulada e não digna. Onde a simulada é a mas emergente. A mais explicita. A não digna vive os submundos e os poroes da suscetibilidade e da humilhação, onde não se cede espaço nem para publicação e popularidade. A digna é discusssão para outro artigo.
     Voltando a simulada e a situação mais abordada, incentivada e veiculada hoje em dia...indago sobre a tal liberdade humana, especificamente a tal e tão sonhada liberdade feminina, ela existe hoje em dia? é da forma esperada? ou é da forma ofertada?
     A cada dia que passa é mais incentivada o uso da ciencia tecnologica, as tranformações e inovações corporais, os altos padrões de consumo e estética. A cada dia que passa o cilco e o jogo da cultura da sensualidade barata e exposta é mais cultuada. O culto do que chamo de liberdade simulada. Seria os reality shows, a vitrines televisivas,  o jogo e abuso da simetria corporal, a maneira mais correta de se atribuir qualidades a uma mulher? seria dessa forma apeladora e assesorista para geração de audiencia a maneira mais correta de se respeitar a mulher?
não me refiro a arte e a arte de dançar. Me refiro da forma como é ofertada para como aprensetar a arte de dançar e a conduta e posturas dos artistas que acima de tudo estão ali, mesmo que no fundo afim de ser recompensados pelo trabalho.Mas o que se oferta são mídias evasivas e comerciais. Mídias explicitas e um boom de passagem pelo glamour das revistas. O Boom dos concursos e dos remelexos em cima do palco ate que o publico e o poder de rádio televisão exerça o limite da mesmice e decida a hora de lhe desveicular. Até quando o sistema de marionetes estará no ar. realmente tenho que assumir que é um sistema muito bem produzido, sem bugs e com muito marketing atrativo. Mas além disso devo parabenizar os que exercem apesar do sacrificio a postura de coquista digna e de preservação de indentidade. Sem fragmentações e balburdios gramaticais e sociais. Não procuro criticar e muito menos efetuar uma criticar destrutiva a cada qual e sua forma de profissionalização. Mas sim apenas alertar para aqueles que perpetuam isso com liberdade. Liberdade é exposição a sua vontade ou liberdade é uma oferta onde alguns que não você mesmo, decide como publicar seu corpo, de que forma e para tal finalidade? No meu ver liberdade implica na sua realização pessoal sem que atropele ou prejudique intencionalmente outras pessoas, é poder escolher seu caminho e desempenhar seu papel com satisfação sem precisar desfigurar sua identidade e sua personalidade.


Por Igor Tanigushi,

Graduando em Relações internacionais.
Colunista Capão Redondo.
Voluntário da Instituto Sou da PAZ (SP).

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato