artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 23 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


AIDS E RACISMO: CHAGAS DA HUMANIDADE

Por: Ivan de Carvalho Junqueira

            O 1.º de dezembro marca o “Dia Mundial de Luta contra a Aids” que, neste ano, além do importante esclarecimento e conscientização com relação à moléstia, trará à tona, com não menos razão, o combate ao racismo.

            Dentre os terríveis dramas a afligir a humanidade, seguramente se encontra o aumento do contágio pelo vírus HIV e, não obstante a incrementação de políticas públicas, inclusive no Brasil, embora insuficientes, tendo-se em vista a redução para com a sua incidência, o número de soropositivos, infelizmente, não pára de crescer. Hoje, de acordo com estimativas, existem 40 milhões de infectados ao redor do globo, dos quais, cerca de 26 milhões apenas na África. Na América do Sul, há 1,6 milhão de portadores, sendo 600 mil os brasileiros. Em 2004, veio a lume nada menos do que 5 milhões de novos casos.

            E como se não bastasse a luta diária em defesa da vida, deparamo-nos, cotidianamente, com inúmeros casos de preconceito e discriminação, os primos do ódio e da ignorância, seja em ambientes de trabalho, escolas e, até mesmo, dentro do lar, de modo que algumas famílias, a partir da ciência da doença, tendem a abandonar o filho, esposo ou companheiro, à própria sorte. Tempos atrás, em se desenvolvendo um trabalho voluntário, pôde-se constatar a triste realidade a ser enfrentada, cujos indivíduos, no geral, simples e humildes, ainda têm de arcar com as perversas raízes da exclusão, da mais sutil à explícita. Às palavras de Albert Einstein, “é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”.

            Os negros, tal como os primeiros, também enfrentam sérias barreiras. À visão da elite, obviamente branca, passam a ser vistos em segundo plano. No dia a dia, são tratados com uma inconcebível desconfiança. Da Polícia, comandada pelo próprio Estado, recebem “batidas” e “borrachadas”. Na novela das 8, apresentam-nos - por reiteradas vezes -, no desempenho de posições subalternas, notadamente, como empregados em casas de classe média alta e branca, quando não, como criminosos, uma vez que, em havendo cenas de violência representam eles, não raro, os seqüestradores, os assaltantes, os raptores de criança etc. Até em estádios tem-se presenciado atos racistas em meio a cenas pra lá de repugnantes. Nada mais, porém, do que o reflexo da sociedade em que vivemos. Como afirma Marcos Rolim, “conduzimos o tronco e a chibata aos museus, mas a discriminação racial segue oferecendo aos negros uma experiência muito concreta de violência e covardia” (O futebol contra o racismo. In: www.rolim.com.br).

            Como o diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos” (Artigo 1.º, 1.ª parte).

            A Aids e o racismo, diversamente do apregoado pelos menos iluminados, carecedores da informação, vão muito além de qualquer rotulação que, a priori, se queira dar, isto porque, os direitos humanos não reconhecem: raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza. Para fazer jus aos mesmos, basta ser HUMANO.

             Iluminai o pensamento da sociedade e fazei com que a Aids e o racismo sejam, o mais breve, vencidos, oxalá, eliminados.

            Essa luta não é do “outro”, deveras, quase que invisível diante dos olhos de insensíveis preconceituosos. É de todos nós!

 

            Ivan de Carvalho Junqueira

            Bacharel em Direito

            ivanjunqueira@yahoo.com.br

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato