artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 20 de Julho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


ESTAR PRESO (Texto de Cesar Nascimento Júnior)

Por: Ivan de Carvalho Junqueira

Estar privado do direito de ir e vir é uma sensação de não ter o chão a seus pés.

É estar, constantemente, em estado de alerta, pois não se sabe como será o dia seguinte.

É como se cravasse um ferro em brasa no peito.

É como se alguém cortasse seus braços e pernas e te colocasse em um deserto.

O mesmo que estar em um infinito deserto à procura de água.

O mesmo que estar no oceano sem algo para não afundar.

É como se um filho te pedisse socorro e você não estar por perto.

É saber que existe Deus e ignorar sua existência.

É saber que você é capaz, mas estar sempre se sentindo incapaz.

É como se seus olhos fossem arrancados e você colocado em um precipício para tentar a sorte de não cair.

É tentar ser ouvido por uma multidão em um estádio de futebol, mas com uma mordaça na boca.

Por fim, estar preso é estar morto-vivo, mas sempre com a chama de Deus como esperança.

 

Cesar Nascimento Júnior

Cidadão brasileiro

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato