artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 24 de Outubro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Historia de Santo Amaro

Por: washington

Santo Amaro

O nome daquele que foi um dos maiores bairros de São Paulo nasceu de uma pequena imagem. Santo Amaro, padroeiro dos agricultores e discípulo de São Bento, passou a denominar a região a partir de 1560, quando o casal João Paes e Suzana Rodrigues doou um santo de madeira à capelinha Nossa Senhora da Assunção de Ibirapuera, instalada no aldeiamento de índios catequizados naquela área. O embrião da vila de Santo Amaro surgiu em 12 de agosto daquele ano, data em que os jesuítas tomaram posse oficial de duas léguas de terras de relevo suave, localizadas à margem esquerda do rio Jurubatuba. As terras foram doadas aos jesuítas pelo Capitão Francisco de Morais, em nome do padre Luís de Grã, provincial da Companhia de Jesus. A capelinha para a qual foi doada a pequena imagem de madeira do santo era o ponto central do aldeamento de índios. A pequena imagem do santo, ainda hoje, depois de 450 anos, pode ser vista na igreja matriz de Santo Amaro. A igreja do Largo 13 de Santo Amaro já passou por quatro grandes reformas, desde o seu surgimento, mas a imagem de madeira ainda está lá.
Esta história está toda registrada em um mosaico que foi construído, em 1962, junto à estátua do bandeirante Borba Gato, ponto de referência na avenida Santo Amaro e do bairro de mesmo nome.
Foi em Santo Amaro o lugar onde nasceu o bandeirante Manuel Borba Gato, que ficou conhecido por acompanhar seu sogro, Fernão Dias Pais, em busca da "Terra de Esmeraldas", de 1673 a 1680. Apesar de não encontrar esmeraldas nesses sete anos, mas apenas turmalinas, Borba Gato prosseguiu sua expedição e acabou achando ouro. O que lhe valeu a nomeação de Guarda Mór do Distrito do Rio das Velhas.
Em 14 de janeiro de 1686, Santo Amaro tornou-se paróquia, por provisão do bispo do Rio de Janeiro, Dom José de Barros Alarcão. O primeiro vigário que Santo Amaro teve foi o padre João Pontes.
Em 1737, a Ordem Régia 212 ordena que se faça um caminho ligando Santo Amaro à cidade de São Paulo. Em 1746, o Senado ordena que sejam refeitos os caminhos do "Mboi guassu à cidade, a cargo de sua freguesia e dos de Santo Amaro, descortinando-se os matos e dando desvios às águas".
No começo do século 19, Santo Amaro possuía três ou quatro ruas e algumas chácaras, além da igrejinha com a pequena estátua.
Em 29 de junho 1829, Santo Amaro começa o crescimento que o transformaria em um dos bairros mais populosos de São Paulo, com um sorteio para distribuição de terras aos colonos alemães que haviam escolhido as terras de Santo Amaro como moradia. Os colonos alemães chegaram após a proclamação da República. D. Pedro 1º incumbiu Von Schaeffer de obter na Europa soldados para lutar nas guerras do sul e colonos para povoar o Brasil.
Com a chegada dos alemães e com o surgimento de várias atividades, principalmente agrícolas, a povoação de Santo Amaro foi elevada à categoria de freguesia e, logo em seguida, a 10 de julho de 1832, à categoria de vila.
No ano seguinte, Francisco Antônio das Chagas (pai de Paulo Eiró), professor de primeiras letras, foi nomeado primeiro presidente da Câmara de Santo Amaro junto com mais 7 vereadores. A primeira sessão da Câmara de Santo Amaro ocorreu no dia 6 de maio de 1833.
Na segunda metade do século 19, a vila de Santo Amaro tornou-se o celeiro de São Paulo, já que todos os gêneros de primeira necessidade, como mandioca, milho, feijão e arroz, eram produzidos e comercializados na região.
O ano de 1886 foi recheado de grandes acontecimentos para Santo Amaro. No dia 14 de março, ocorreu a primeira viagem do trem que saída da rua São Joaquim, seguia pela rua Vergueiro, rua Domingos de Morais e avenida Jabuaquara, até o local da atual igreja de São Judas Tadeu, onde ficava a estação "do encontro". Depois, continuava o percurso cruzando vastos campos onde hoje estão os bairros Aeroporto, Campo Belo e Brooklin Paulista. O trenzinho, que levava uma hora e meia para concluir o trajeto, passava pela Chácara Flora e terminava seu percurso na vila de Santo Amaro, na praça Santa Cruz, onde está hoje a escola Lineu Prestes.
Porém, o grande momento deste ano ocorreu no dia 14 de novembro, quando a vila de Santo Amaro recebeu a visita do imperador d. Pedro 2º e sua esposa.
A vila de Santo Amaro terminou o século 19 rica e independente.
No início do século 20 a história mudou. São Paulo foi palco da terrível epidemia de gripe espanhola. Santo Amaro, assim como a capital, também viveu dias de muito sofrimento e morte.
Em 1907, a São Paulo Light and Power deu início à construção da represa do Guarapiranga. Logo após sua construção, a represa virou um ponto turístico na cidade. Era sobre suas águas que os primeiros aviadores da cidade faziam suas demonstrações.
Em 1935, três anos após as comemorações do primeiro centenário do município de Santo Amaro, o interventor federal, Armando Sales Oliveira, expediu um decreto que anexou a cidade de Santo Amaro à capital.
Foi assim que Santo Amaro, município vastíssimo que então fazia divisas com São Vicente e Itanhaém, tornou-se um bairro da cidade de São Paulo.
Muitos moradores de Santo Amaro foram contra a anexação e no mesmo ano em que esta ocorreu foi fundado o Centro Autonomista de Santo Amaro.
Desde então, Santo Amaro já fez longas campanhas para readquirir sua autonomia, porém nenhuma delas obteve sucesso.
A industrialização do novo bairro, na década de 1940, gerou uma ocupação desordenada do espaço. Hoje, o bairro é uma zona de contrastes sócio-econômicos e problemas de infra-estrutura. Santo Amaro é um dos retratos mais fiéis da sociedade brasileira, pois é um bairro que possui condomínios de luxo, com casas em que os preços ultrapassam o milhão de reais e bolsões pobreza como a favela Jurubatuba. É um bairro fraturado socialmente. Onde os ricos se divertem no Credicard Hall, no Teatro Alfa Real, no Clube Hípico de Santo Amaro e etc, enquanto os pobres se amontoam nas favelas sem saneamento básico. É um exemplo clássico, triste e terrível da realidade brasileira.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato