artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 19 de Fevereiro de 2018
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


KING KONG- APROVO

Por: Fernando Alex

Uma entrevista com o diretor da trilogia O SENHOR DOS ANEIS, QUE NOS traz confiança: ele é competente, inteligente e traz para os cinemas criaturas "reais", que na verdade, não passam de efeitos.

Peguei a entrevista abaixo no site da revista época.

 

 

ÉPOCA - King Kong o fez decidir ser cineasta?
Peter Jackson -
Sim. Estou realizando meu sonho de criança. Vi o filme de 1933 na TV, quando tinha 8 anos. Aquilo me impressionou. Mobilizei a família, ganhei uma câmera e tentei fazer minha primeira versão na garagem de casa. Desenhei em papelão o cenário de Nova York!

ÉPOCA - Você apresentou um projeto de remake aos estúdios da Universal?
Jackson -
Sim, em 1996. Já estávamos produzindo O Senhor dos Anéis, e meu sonho continuava. Naquele tempo os executivos eram muito chatos, não queriam saber de King Kong.

O diretor duplicou a metragem do filme. O novo King Kong tem 3 horas

ÉPOCA - Por que agora deu certo?
Jackson -
Não vou mentir: só consegui fazer o filme por causa do sucesso de O Senhor dos Anéis. Agora posso fazer o que quiser.

ÉPOCA - Você optou pelo fantástico? Acha que seus filmes privilegiam a fantasia sobre o real?
Jackson -
Espero que os espectadores deixem a descrença de lado e se entreguem à aventura. Como King Kong é um mito eterno, as platéias sempre se interessarão por ele.

ÉPOCA - Mas o filme tem uma mensagem ecológica, denuncia a destruição da natureza.
Jackson -
Não foi proposital. O mundo atual é péssimo, com guerras injustas, e fico triste com a destruição da natureza. Mas isso passa longe de King Kong. Quero reviver a magia do original com os recursos técnicos atuais e fazer jus ao slogan para o filme de 1933, que repetimos: A oitava maravilha do mundo.

Meu filme revive, em hi-tech, a magia da versão original. Em 1933, King Kong tinha o slogan de ser A oitava maravilha do mundo

ÉPOCA - Não teme ser acusado de escapista?
Jackson -
Sou escapista mesmo, com orgulho. Temos compulsão de ver um filme divertido para esquecer as agruras do mundo. Antes as pessoas encontravam isso em Mozart e Beethoven, mas hoje a diversão é o cinema. Quem não quer esquecer deste mundo horroroso?

ÉPOCA - Você poderia analisar a evolução de sua carreira?
Jackson -
Não acho que tenha evoluído como cineasta. Minhas obsessões são atemporais, e King Kong é um projeto de 35 anos. Filmo o que me apaixona. Foi assim com O Senhor dos Anéis. Sou um eterno menino sonhando em filmar.

ÉPOCA - O que acha da versão de 1976?
Jackson -
Detesto. Quis evitar aquele clima erótico. Jessica Lange e o macaco se atraem sexualmente e há cenas de gosto duvidoso.

ÉPOCA - Qual é a contribuição de seu remake ao original de 1933?
Jackson -
Busquei um relacionamento mais profundo. Não é um filme de amor, mas um filme sobre o amor. King Kong é perigoso. Mas, nesse clima de perigo, Ann termina por dominá-lo. A tragédia se dá quando Kong se apaixona pela mulher civilizada. É o começo de seu fim.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato