artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Sem lembranças!

Por: Ademiro Alves (Sacolinha)

Sem lembranças!

Ele não lembra mais de mim.

Ele se esqueceu quando entreguei panfletos e carreguei seu nome numa bandeira.

Bati em diversas portas pedindo apoio para sua candidatura. Militei demasiadamente. Comi lanches vagabundos durante dias e perdi meu único tênis.

No dia decisivo, fui um dos primeiros a ver sua foto na máquina. Fui esculachado pela polícia, na frente de dezenas de pessoas, por estar fazendo boca de urna.

E ele não lembra mais de mim.

Dois anos se passaram. Continuo no sufoco.

Acordo cedo, tomo um café ralo e saio de cabeça baixa, procurando latinhas cidade á fora.

Minha mãe trança um cabelo aqui e costura uma roupa ali.

Quando o técnico do time do futebol de várzea traz os uniformes para ela lavar, é sinal que Deus lembrou da gente.

E ele?

Ele não lembra mais de mim.

Sempre esteve por aqui mas o poder é tarefa e ele, por sua vez, se tornou um grande tarefeiro.

O seu transporte agora é avião fretado, quando não, desfila de importado.

E eu, não passo mais debaixo da catraca, cresci, entro pela porta de trás.

Eu visto a miséria e ele, a ostentação.

Ontem fumava cigarro, hoje desfruta de charutos cubanos.

Ele não lembra mais de mim.

Fui preservativo. Meteu-me nas entranhas do povo, e depois de ejacular, me descartou e foi curtir a sensação.

Hoje se veste com malhas e algodão, casimira e sedas italianas. Suas gravatas são da galeria Hernés, de Paris.

Come nomes estranhos, uns vindo do mar, outros dos grandes frigoríficos.

O carteado entre amigos foi substituído por cassinos internacionais.

Ele não lembra mais de mim.

Algum tempo atrás, foi estrategista e filósofo, até profeta, mais um profeta mentiroso.  

O tempo vai passar, e ele terá duas, três, ou mais contas bancárias.

Vai adquirir muitos conhecimentos na área em que atua, e na próxima vez, talvez não precise mais de mim. Irá pagar para o mais renomado dos marketeiros, a fim de abocanhar mais e mais votos.

É, e furtará cada vez com maior perfeição as esperanças do povo que insiste em elegê-lo.

Até quando?

Até que existam pessoas como eu que botam fé no cara, enquanto ele, bem ele jamais se lembrará de mim.

 

Ademiro Alves (Sacolinha)

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato