artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 25 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Em busca do paraíso

Por: Sônia Carvalho

Em busca do paraíso

Muitas pessoas almejam o paraíso eterno.

Acreditam que ele é um lugar tão belo, repleto de flores, de pessoas felizes e com anjos a tocarem maravilhosas músicas em suas harpas douradas.

E assim, passam uma vida inteira sonhando em ingressar no paraíso, consideram-se legítimos seguidores de Deus, mas deixam de praticar os seus ensinamentos.

Prendem-se a valores materiais e esquecem de que no final só restará o espírito.

Questionam religiões e ignoram que o Pai tem muitas moradas.

Acham-se superiores e fingem não perceber que somos todos iguais, perante Deus.

Proclamam o evangelho, mas não colocam o amor em prática.

Praticam cultos, mas não realizam a solidariedade

Acham-se cheios de qualidades, mas não conhecem a verdadeira humildade.

Cantam louvores ao Pai, mas não estendem a mão a quem necessita de ajuda.

São assíduos freqüentadores de centros espíritas, igrejas e templos, mas deixam de colocar em prática o que lá ouvem.

Esperam a ajuda divina, mas mantêm os braços cruzados.

Escrevem páginas tão belas, mas não incorporam os dizeres a sua vida.

Julgam-se tão importantes nos lugares que freqüentam, mas não são capazes de fazer um simples gesto de caridade.

Dizem-se dispostos a cooperar, mas só se os holofotes estiverem voltados para o que realizam.

São evoluídos intelectualmente, mas não recuam os passos, para que outros possam acompanhá-los.

Proclamam-se humildes, mas semeiam o orgulho no coração.

Acreditam que são verdadeiramente bondosos, mas sempre esperam que seus atos sejam reconhecidos e retribuídos.

Dizem serem seguidores de Jesus, mas não sabem praticar o perdão como Ele praticou.

Denominam-se tolerantes, mas diante de um erro alheio, não perdem tempo para condenar.

Incentivam o fim de qualquer tipo de preconceito, mas acabam sempre julgando as atitudes dos outros.

Espalham que são solidários, mas intimamente se contentam com o fracasso de alguém.

A inveja não faz parte do seu vocábulo, mas o sucesso alheio os incomodam.

Se definem grandes trabalhadores, mas não possuem tempo para auxiliar.

Derramam inúmeras lágrimas em nome de Deus, mas são incapazes de suavizar a dor de um necessitado.

Demonstram-se desapegados a bens materiais, mas batalham para conseguir, cada vez mais, títulos e riquezas.

Consideram-se serenos, mas diante de qualquer adversidade perdem a tranqüilidade.

Declamam discursos belíssimos, mas a fé não está presente em nenhum dos versos recitados.

Esperam por grandes milagres e esquecem de que o milagre somos nós mesmos.

Assumem o papel de sofredores, mas a dor não os leva a reflexão.

Querem ter asas, mas o vôo é sempre solitário.

Espalham que são desapegados como Cristo, mas esperam que todos os seus caprichos sejam atendidos.

Apresentam-se como obreiros do bem, mas procuram espalhar sentimentos de discórdia por onde passam.

Tentam ser perfeitos e esquecem que todos nós estamos em processo de evolução.

Praticam a oração, mas não refletem sobre os atos cometidos.

Vigiam os deslizes alheios, mas não reparam em seus próprios pensamentos.

Sonham com grandes realizações, mas destroem as sementes da esperança.

Almejam o paraíso...

Sim, muitos de nós, almejamos o paraíso eterno

Mas nos esquecemos que para chegarmos até lá, precisamos antes, iniciar a nossa caminhada aqui na terra.

Devemos nos empenhar em fazer um mundo melhor.

Devemos abandonar as máscaras que usamos e semear o verdadeiro amor.

Devemos não ter medo de estender a mão quando preciso.

Devemos reconhecer que temos muitos erros, mas estamos a caminho da perfeição.

Devemos olhar quem está ao nosso lado e que talvez precise apenas desse simples olhar para ter coragem de continuar.

Devemos respeitar as idéias contrárias as nossas.

Devemos ser humildes de verdade e valorizar o dom que Deus deu a cada um de seus filhos.

Devemos compreender que cada religião tem a sua crença e que se houver amor ao Pai e ao próximo, então todas estão corretas e nos conduziram, a sua maneira, ao paraíso que almejamos e acreditamos.

E que não amanhã, mas hoje, possamos começar a caminhar em direção ao que almejamos.

Se almejamos o paraíso, façamos do local que hoje estamos, um pedaço dele.

E se realmente queremos nos encontrar com Deus, deixemos as portas do coração abertas.

Assim, chegaremos ao paraíso que almejamos....

Sônia Carvalho

27/01/06

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato