artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Resitência Cultural

Por: Leandro Ricardo de Vasconcelos

Resistência cultural

 

As rodas ou redutos de samba que mantêm a tradição de cantar músicas que não fazem parte do repertório das rádios podem se considerar uma resistência cultural, porque se não fosse por este meio, pouco saberíamos sobre a manifestação popular inteiramente brasileira que é o samba.

 

O modelo padrão tocado nas rádios não representa o samba na sua forma verdadeira, tem origem, mas não o representa. O definimos como um ritmo que entrou no gosto da massa e aderiu a moda do momento, não possui outro propósito que não seja vender e divertir. Diferente do samba que expressava a opinião ou o cotidiano do povo, a exemplo de letras que procuravam abordar problemas sociais no intuito de alertar a população.

 

Músicas que encaram o perfil político vão contra o interesse do alto escalão da sociedade, por isso não chegam ser selecionadas para tocar. Em contrapartida, os redutos e rodas de samba que me refiro invertem a posição de escolha e tocam as músicas que nunca ouviram na rádio. Canções que somente tocam na roda de samba mesmo, partido-alto, samba canção, os grandes sambas-enredo e outros mais. Costumamos dizer que estes sambas são o “lado B” da música brasileira, ou seja, o que há de melhor.

 

            A resistência existe porque o samba já faz parte da natureza do brasileiro e sua autenticidade deve continuar. Nelson Sargento, baluarte da estação primeira de mangueira, simplificou esta tese quando disse que “o samba agoniza, mas não morre”, já nossa majestosa Alcione complementou a idéia com a súplica “não deixe o samba morrer”.

 

            Se depender da vontade dos adeptos da cultura brasileira com certeza a origem do samba não vai acabar, acredita-se que ela pode continuar da forma que esta, mas deixar de existir, nunca. Além de tudo, porque, a resistência muitas vezes serve como estímulo a futura geração do samba.
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato