artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A fábrica do samba

Por: Leandro Ricardo de Vasconcelos

A fábrica do samba

Na época da senzala, o samba era para os escravos uma forma de lamento como também de festividade, fazia parte de sua religião, portanto era odiado pela burguesia.

Tempos depois abolição da escravatura, o samba encontrou abrigo permanente nos cabarés do Rio de Janeiro, porém não era ainda como o vemos hoje, refiro-me aos sambas de Noel Rosa, Chico Viola, Wilson Baptista, Ataulfo Alves e outros mais. Composto por orquestras foi sucesso no bairro da Lapa nos anos 20 e 30, muitas vezes era confundido com a marcha ou com o maxixe. O sambista com seu chapéu de lado tinha perante a sociedade a imagem de vagabundo e vadio, amante da boêmia.

            De acordo com a urbanização da cidade do Rio, uma pequena África se espalha por diversos morros e favelas, formam-se as escolas de samba e agremiações, onde vão surgir personagens de grande importância para a música brasileira como Cartola, Carlos Cachaça e Geraldo Pereira, na Mangueira, Paulo da Portela, Alcides Malandro Histórico, Manacea e Chico Santana, na Portela entre inúmeros outros.

Herivelto Martins num de seus sambas refere-se a este período da seguinte forma - “eu sou do tempo que malandro não descia, mas a policia no morro também não subia”. A repreensão das autoridades obrigou o samba refugiar-se sempre em um lugar mais que seguro - o morro ou os terreiros de candomblé.

O samba ganha status e reconhecimento nacional por parte de intelectuais como Villa-Lobos, que inclusive organizou uma histórica gravação no navio Uruguai, em 1940, onde participaram Cartola, Donga, João da Baiana, Pixinguinha e Zé da Zilda. O movimento cultural de descendência africana atravessou o Atlântico a caminho do Brasil, agora estivera a bordo de um navio de luxo agradando a elite.

A classe baixa e operaria, que desde o principio esteve presente na definição e desenvolvimento do samba, passou a se distanciar em razão da dificuldade proporcionada pelas casas de samba. Quando não muito caras, sua localidade é desfavorável.

Esta é a origem da denominada fábrica do samba, hoje localizada nos bairros nobres da cidade, instalação interna de alto nível, telão e três ambientes a caráter, uma programação repleta de apresentações e tributos à baluartes da história do samba, como Zé kéti, João Nogueira e Clara Nunes, mas com um couvert artístico abusivo. Portanto, os visitantes que vão a estas casas são em maior parte universitários, intelectuais, empresários, pessoas da classe média em geral.    

        No entanto, todos aqueles que gostam realmente de apreciar o samba autêntico, mas não tem condições financeiras de pagar valores exorbitantes apenas para entrar no local sem ao menos consumir nada, trataram simplesmente de organizar redutos em suas próprias comunidades, para que assim não tenham que ficar a mercê das fabricas do samba, pois todos têm o direito de ter acesso ao movimento cultural altamente brasileiro que é o samba.
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato