artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Segunda - 26 de Junho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A família

Por: Sônia Carvalho

Vivemos num mundo onde as pessoas se perderam, diante a correria do dia a dia.

Palavras como stress, depressão, insegurança, medo e tantas outras, passaram a fazer parte do nosso vocábulo.

Acostumamo-nos a conviver com a violência.

E a correr atrás de valores errôneos.

Vivemos esbarrando nas pessoas, porém, evitamos qualquer tipo de relacionamento.

Somos capazes de viver anos apenas mergulhados em nossos problemas.

Evitamos "olhar nos olhos" dos outros.

E palavras como "Obrigado" ou "Bom dia", nos parecem tão estranhas...

Atualmente, nos importamos com status, sucesso e em ganhar cada vez mais dinheiro.

Nos viciamos em possuir o supérfluo e esquecemos de investir em nosso desenvolvimento espiritual.

O verdadeiro amor parece ter sido abandonado em algum canto.

E a família e o seu valor?

Ih...

O que vemos são pais distantes dos seus filhos, sem saber o que eles sentem, ou o que realmente os afligem.

Casais unidos apenas no papel, mas separados por um abismo.

Familiares que compartilham da mesma morada, mas são completamente estranhos uns com os outros.

O silêncio impera e em outros momentos, a TV é mais atrativa do que procurar compreender a pessoa que está ao nosso lado.

E muitas vezes também, achamos que basta fornecer conforto, brinquedos sofisticados, roupas de grife e demais bens materiais.

Quando um pequeno gesto de carinho seria capaz de resolver muitos problemas.

O verdadeiro amor não se constrói sobre a riqueza.

Ele nasce na alma e se expande na simplicidade.

Ele pode residir num casebre, iluminado por velas e onde as pessoas comem feijão com farinha.

Mas onde palavras como honestidade, respeito, dignidade, solidariedade e principalmente amor jamais faltam.

Lembremo-nos que um abraço vale mais do que qualquer outra coisa que o dinheiro possa comprar.

Estar presente na vida das pessoas que se ama, não tem preço.

Compartilhar alegrias e tristezas, fortalece o ser.

Procuramos a felicidade por todo o mundo.

E esquecemos de semeá-la em nosso próprio lar.

Esquecemos que a família é a base da vida.

É na família que encontramos nosso refúgio diante das aflições.

É a família que nos conforta diante de qualquer dor.

Mas muitos se esqueceram disso e deixaram que a família perdesse sua importância.

Passaram a se encontrar apenas em festas de fim de ano ou enterros.

Deixaram de cultivar o verdadeiro valor da família.

Ignoraram que o progresso espiritual se inicia no convívio familiar.

Que a família é sagrada.

E baseada em pequenos mas verdadeiros gestos de amor.

E quando compreendermos isso, não seremos mais surpreendidos com notícias de pais assassinados pelos próprios filhos, drogas destruindo famílias inteiras, traições, pais omissos e tantos outros casos de violência familiar.

Quando realmente refletirmos sobre o papel da família, a realidade começará a modificar.

E aí sim, o amor que tanto falta nesse mundo, começará a brotar em todos os cantos...

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato