artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 25 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


E a responsabilidade também é nossa

Por: Sônia Carvalho

E a cidade amanhece...

As pessoas tentam voltar ao seu ritmo normal.

Mas em cada canto paira a insegurança.

Em cada rosto está expressada a cruel dúvida: "Até quando seremos vítimas de tanta violência?"

O que se presenciou nos últimos dias parecia uma verdadeira guerra.

Inocentes morreram, criminosos também, quantas mães não choraram a morte de seus filhos?

E a sociedade assistiu atônita a tudo isso.

Até quando?

É a pergunta que agora, depois da batalha, fica no ar.

Procuramos os responsáveis pelo ocorrido, culpamos as autoridades, nos sentimos desprotegidos e até parece que Deus também nos abandonou.

Mas será que também não temos responsabilidade por tudo isso que está acontecendo?

Será que não nos fechamos demais em nossos mundos internos, batalhando freneticamente pelo sucesso , pelo dinheiro, pelo louvores humanos e nos esquecemos de que o que realmente importa são os bens espirituais?

Será que a nossa vaidade e orgulho não calaram os gestos de solidariedade?

Estamos tão apressados e preocupados com os nossos problemas que nem notamos as pessoas que estão ao nosso lado. E muito menos se precisam de ajuda.

Um sorriso ou um bom dia sincero passou a ser algo em extinção.

A solidariedade se tornou uma palavra estranha ao nosso vocabulário.

Queremos sim, justiça, punição aos criminosos e uma sociedade mais protegida, mas o que cada um de nós está fazendo?

 Não estamos apenas nos protegendo em nossas casas, estamos construindo imensas muralhas que nos isolam do mundo.

Nos recusamos a estender a mão.

A socorrer quem perdeu tudo, até a esperança.

Deixamos a fé guardada naquela velha gaveta.

Pedimos auxílio a Jesus, mas nem nos lembramos mais dos seus ensinamentos.

Rogamos a proteção divina, mas não praticamos a fraternidade.

Queremos um combate intensivo ao PCC, mas quantas crianças, futuras integrantes do bando, poderíamos socorrer com um simples gesto de caridade?

Quantas lágrimas poderíamos evitar se decidíssemos arregaçar as mangas?

Quanto desespero acabaria se vencêssemos o desânimo e nos tornássemos soldados da paz?

Sim, muita coisa poderia ser feita.

Chorar os mortos é louvável , mas levar esperança e levantar os vivos que estão caídos se faz necessário.

Afinal, responsabilidade também é nossa....

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato