artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Como conheci o meu inseparável amigo

Por: Leandro Ricardo de Vasconcelos

Era comum encontrar meu irmão pelo canto da casa tocando seu violão. Na época ele tinha um grupo de samba que fazia apresentações em bares e em casas noturnas do centro da cidade. Por esta razão dedicava o máximo de si. Eu gostava de ouvi-lo tocar, mas preferia jogar futebol ou vídeo game.

 

Determinado dia, ele chegou em casa com um cavaquinho, dizendo que comprara para que eu aprendesse a tocar. A principio não me contentei muito com o presente, pois considerava ser muito difícil, quando tentava, logo desistia. Costumava deixar o instrumento em cima do guarda-roupa, ou em qualquer outro lugar da casa.

 

Minha atitude contrariava as intenções do meu irmão, pois ele desejava me ver tocando aquele cavaquinho. Mas o meu desinteresse era nítido, todos percebiam. Sendo assim, ele próprio tratou de aprender, até estranhei vê-lo querer tocar cavaco, já que as músicas que ele gostava mais das que fossem acompanhadas somente por violão; Djavan, Gilberto Gil, Caetano, Chico Buarque, ente outros.  

           

            Não passou mais de uma semana, ele me chamou. Pediu que eu me sentasse numa cadeira, e frente a frente deu a ordem:

- Segura este instrumento aí. Vamos lá! - Coloque seus dedos na posição que eu disser. Olha! Esta nota é o Dó Maior.

 

Ficamos durante horas nesta “tortura”, já sentia a ponta dos meus dedos latejarem de tanta dor.

 

Percebi que a medida em que eu alternava as notas, conseguia tocar algumas músicas. Esta descoberta me deixou surpreso e muito feliz. Minha concepção a respeito do instrumento acabara de mudar completamente, agora eu não conseguia mais deixo-lo só.

 

Cheguei ficar horas e horas tocando sem cessar, aprendia a cada dia mais ouvindo os discos do Fundo de Quintal e tentando acompanhar o ritmo original das músicas. Aonde que quer que eu fosse levava ele - meu cavaco - comigo. Para me identificar, muitas pessoas usavam-no como referencia, “O cara do cavaco”, alias, ele realmente  tornou-se meu fiel companheiro. Através dele conquistei amizades, garotas e a simpatia de muitas pessoas.

 

Hoje declaro abertamente que sou o que sou (cavaquinista), devido o que meu irmão fez por mim. O tenho como meu mestre, e sou imensamente grato pelo incentivo proporcionado em relação à música. Sinto enorme prazer ver seu sorriso quando tocamos juntos, ele se enche de orgulho. Sempre acreditou que eu chegaria a tal instrumentalmente. O sacrifício não foi vão, e disso, tenho certeza
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato