artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Domingo - 30 de Abril de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Vencendo o desânimo

Por: Sônia Carvalho

Quantas vezes não sentimos uma tremenda vontade de abandonar tudo?

A nossa frente só enxergamos escuridão.

No coração só uma forte angústia a pulsar.

Nossos pensamentos tornam-se confusos.

Nossos passos indecisos, não sabemos qual caminho seguir.

Ficamos com a sensação de que a nossa vida está passando em branco.

Os anos parecem pesar e o tempo passar rápido demais.

A melancolia quer nos envolver.

E o pessimismo, comandar nossos atos.

Tudo a nossa volta fica sem sentido.

E nossa mente passa a ser envolvida por sentimentos negativos.

Aí sim, a vontade de desistir aumenta...

Só que nessas horas, devemos parar por um instante e refletir.

Refletir que podemos e devemos prosseguir.

E podemos encontrar a força de continuar de muitas maneiras.

Mesmo que de nossa boca não saia belas preces, podemos colocar o nosso coração em sintonia com o alto

Se o desânimo quer nos dominar, podemos acelerar os passos e deixá-lo para trás.

Se lágrimas de tristezas começam a cair, podemos arregaçar as mangas e realizarmos um gesto de caridade.

Se nos sentimos infelizes, podemos visitar um enfermo que daria tudo para estar em nosso lugar.

Se reclamamos da nossa vida, podemos caminhar pelas ruas e perceber quantas pessoas também reclamam, porém, de fome e frio.

Se nos sentimos sozinhos, podemos lembrar de quantas mãos se estenderam em nossa direção nos momentos de dificuldades que já atravessamos.

Se os pensamentos se tornam perturbados, podemos praticar uma leitura edificante que nos levará a mudar o foco.

Se o silêncio fere, podemos procurar pessoas cuja conversação eleve o nosso padrão vibratório.

Se o coração parece apertado, podemos levar uma palavra de esperança a quem se encontra perdido.

Se queremos encontrar um anjo, podemos começar sendo um anjo para alguém que sofre.

Se nada de novo ocorre, podemos iniciar um trabalho voluntário.

Se ainda não encontramos o amor, podemos semeá-lo pelos caminhos que atravessarmos, assim um dia, o conheceremos.

Se busquemos desesperadamente pela esperança, podemos levar a luz a quem se encontra nas trevas.

Se o corpo parece cansado, podemos elevar o espírito e assim continuar o nosso processo de evolução.

Se a viagem parece sombria, podemos levantar quem está caído e assim termos companheiros nessa viagem.

Se a solidão quer nos dominar, podemos mostrar um sorriso a quem está a espera de um simples gesto.

Se a dúvida se mostra presente, podemos levar a certeza de um novo amanhecer a quem deixou de acreditar.

Se os problemas parecem sem fim, podemos nos empenhar em realizar obras de fraternidade.

Se não compreendemos nossos sentimentos, podemos levar consolo a quem perdeu a esperança.

Se choramos diante da derrota, podemos enxugar o pranto de quem perdeu um ente querido.

Se nos sentimos fragilizados, podemos levar alegria a quem já foi muito maltratado pelos espinhos da vida.

Se a crise financeira nos afeta, podemos oferecer um abraço a quem não tem quase nada.

Se a pressa é inevitável, podemos mandar boas vibrações em forma de um pensamento fraterno.

Se as palavras faltam, podemos simplesmente nos fazer presentes.

Se as estrelas estão distantes, podemos ser a luz no caminho de quem está em dificuldade.

Se reclamamos a sorte alheia, podemos passar a cultivar boas sementes, para que no amanhã os frutos sejam outros.

Se as grandes conquistas não chegam, podemos reconhecer os simples gestos que podemos realizar e que podem mudar uma vida.

Se a vaidade quer nos cegar, podemos lembrar da humildade de Jesus, que mesmo sendo o Mestre, jamais deixou de caminhar ao lado da multidão e não hesitou em lavar e beijar os pés de seus apóstolos.

Se a carência nos faz chorar, podemos aquecer os nossos corações percorrendo asilos ou orfanatos.

E se o fim parece ter chegado, podemos orar e pedir ao Pai que nos conceda mais luz.

Porque a vida é um eterno aprendizado, estamos em evolução e devemos sempre procurar progredir espiritualmente.

Não devemos cruzar os braços, há muito a ser feito.

Porque quando a mente está ocupada no bem, nenhum pensamento nocivo tem como se aproximar.

Trabalhando no bem, venceremos o desânimo

E com confiança e fé, veremos que nossos dias serão mais iluminados....

 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato