artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 25 de Abril de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Os Estudos sobre Hip-Hop e Rap

Por: João Batista Soares de Carvalho

O RAP tem mais de vinte anos de história no Brasil, porém, passou a ser objeto de estudos acadêmicos a partir de 1996. Na segunda metade de 1990, pesquisadores passaram a estudar o RAP como uma alternativa educacional, capaz de formar politicamente e criticamente o jovem.

Os trabalhos foram apresentados nas mais variadas disciplinas das Ciências Humanas, tais como Educação, Antropologia, Sociologia, Semiótica e História. A força do RAP como expressão dos grupos marginalizados foi destacada em todos os trabalhos sobre o tema.

Ao estudarem o RAP, expressão marginalizada, os pesquisadores objetivaram quebrar “tabus”, contribuindo para verificar como os jovens (homens e mulheres) utilizaram, como expressão artística, o RAP, veiculando, através de falas poéticas, elementos da identidade e dos pertencimentos de parcela dos jovens socializados na periferia da cidade de São Paulo. Os estudos sobre o RAP abordaram as questões relacionadas a classes sociais e etnia. No interior do movimento Hip-Hop, esses conceitos já eram trabalhados desde o seu surgimento.

No início dos anos 1990, a forte influência do discurso internacionalizado dos grupos de RAP estadunidenses e o contato com o movimento negro levaram os jovens rappers paulistanos a incorporarem alguns símbolos da luta dos afro-americanos pelos direitos civis.

Então, passaram a ler as biografias dos principais líderes afro-americanos, no intuito de conhecer a história da diáspora africana nas Américas e, principalmente, as especificidades do racismo brasileiro. A estratégia foi obter conhecimento e entender os problemas sociais e étnicos para fundamentar a ação e o canto.

As representações étnicas, religiosas, das classes sociais e da violência urbana das canções encontravam referências no cotidiano dos jovens produtores do RAP.

Pode-se, portanto, pensar o RAP como um espaço de disputas, caracterizado por mudanças e transformações, mas também por resistências e permanências.

O objetivo dos estudos foi observar como se deu um processo de simulação de força que transformou o RAP numa tática lingüística eficiente para driblar os contratos e alterar, através do jogo lingüístico do poema, as regras de um espaço opressor.

Neste sentido, o RAP foi tratado como uma espécie de válvula de escape, isto é, como uma forma de expor o que, pelas vias cidadãs, não podia ser dito. O RAP, portanto, foi visto como fruto da falta de espaço para a expressão do descontentamento – o efeito colateral.

Se os integrantes masculinos do movimento desenvolveram rimas denunciadoras e críticas em relação às questões étnicas e sociais, logo as integrantes femininas questionaram, por meio de suas canções, as mazelas que afetaram as vidas de milhões de mulheres pobres e suas famílias.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato