artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 15 de Dezembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


O Brasil Perdido - Na má escola da vida

Por: Henrique Montserrat Fernandez

Nestes tempos de Educação Continuada , fico estarrecido com a apologia que ainda se faz no Brasil em relação ao sucesso que certas pessoas, especialmente políticos e empresários, tiveram na vida mesmo sem ter estudado além do nível fundamental. A idéia que se passa aos jovens é que a educação não faz diferença para o sucesso de um indivíduo, ou seja, que a chamada “escola da vida” é o que realmente funciona. Aliam a preguiça em aprender formalmente, comum na juventude, ao descaso da sociedade em geral em relação à educação, tratando algo que é fundamental e inerente ao ser humano – o aprendizado – como algo supérfluo, aborrecido, que “não terá uso prático” na vida das pessoas.

Muitos pais querem que seus filhos estudem, a fim de obterem unicamente um pedaço de papel após alguns poucos anos de estudo formal e “exigido” pela sociedade. Esperam com isso que seus filhos tenham “uma vida melhor” que a deles. Não estão interessados nas portas que a base do saber formal pode lhes abrir, nem nas pessoas que seus filhos podem vir a ser. Através do incentivo a essas atitudes, o Brasil continua perdendo a chance de fazer a diferença num mundo globalizado. Fica à mercê de políticos e empresários desonestos, que utilizam a ignorância das massas em proveito próprio, como estamos cansados de ler, ouvir e ver nos noticiários, sem que atitude alguma seja realmente tomada para corrigir o problema. Parece que são coisas que não nos afetam, nem nos dizem respeito...

No programa Atenção Brasil , transmitido pela Cultura FM, ouvi uma entrevista do Dr. José Aristodemo Pinotti, ex-secretário da Educação de São Paulo, que dizia que “há várias crianças não alfabetizadas na 3ª série”. Meu Deus! O que estamos fazendo em relação ao nosso futuro? Como pode haver crianças não alfabetizadas se já cursaram duas séries antes? O que se faz nas escolas públicas? O que, enfim, essas crianças estão fazendo na escola para continuarem analfabetas mesmo estando na 3ª série fundamental? Por que está se jogando fora dinheiro com má educação num país como o Brasil? O que os professores dessas crianças têm a declarar diante dessa afirmação? O que seus pais acham disso? Essas questões continuam sem resposta.

No domingo 17 de setembro de 2006, no caderno nacional de O Estado de S. Paulo , uma manchete me saltou aos olhos: Taxa de analfabetismo reduz ritmo de queda no governo Lula . Nestes momentos pré-eleitorais devemos tomar cuidado com a veracidade do que é escrito, porém, o autor Fernando Dantas consegue deixar clara a crueza dessa realidade através de índices reais, obtidos de fontes tais como o PNAD/IBGE. O que me incentiva a citar sua matéria como fonte fidedigna. Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2005), o analfabetismo vem registrando queda, de 1992 até 2002, de 0,5 % ao ano. Nos últimos anos essa queda ficou em 0,3 % ao ano. Ou, em termos absolutos, "havia 14,8 milhões de analfabetos em 2002 e em 2005 esse número tinha caído apenas para 14,6 milhões”. E não nos iludamos: os números são explicados apenas por variações demográficas, o que implica que esses 0,3% de redução ao ano se deve principalmente pela morte de idosos analfabetos...”É praticamente como se não houvesse alfabetização de adultos no País...” Segundo Dantas, “esses resultados estão deixando perplexo o governo, que gastou, entre 2003 e meados de 2005 um total de R$ 330 milhões para alfabetizar 3,4 milhões de adultos por meio do programa Brasil Alfabetizado .

Uma das possibilidades para explicar tal contra-senso, segundo a matéria, seria, nas palavras do secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação, Ricardo Henriques, “que o programa está atraindo muitos analfabetos funcionais, mas que não são absolutos.” O Instituto Paulo Montenegro (IPM), braço social do Ibope, define, segundo a matéria de Dantas, um alfabetizado funcional como sendo a pessoa “capaz de utilizar a leitura e a escrita para fazer frente às demandas de seu contexto social e usar essas habilidades para continuar aprendendo e se desenvolvendo ao longo da vida”. A matéria menciona, ainda, que além de não haver estatísticas precisas do número de analfabetos funcionais no Brasil, dependendo do “rigor do conceito” pode-se estimar-se um percentual de 25% a 75% dos brasileiros [!!!].

Ou seja, dependendo do critério adotado, o analfabetismo funcional brasileiro pode atingir de ¼ a ¾ da população do país ! Isso é simplesmente absurdo! Porém, torna-se lógico quando sabemos que muitos governos, desde a criação do Mobral (1967), deixavam de considerar um cidadão analfabeto a partir do momento em que o mesmo sabia “desenhar” seu nome num documento...

Hoje, o Brasil sente as seqüelas desse descaso com a educação e, diante do fracasso verificado nesses últimos 40 anos de tentativas governamentais de erradicação do analfabetismo, temo sinceramente que se apenas continuarmos mudando “os conceitos” de análise, sem jamais atacarmos o cerne, que é fazer da educação e do prazer proporcionado pelo saber os principais alicerces de nossa sociedade, o Brasil jamais deixará de ser um país de terceiro mundo, pois estará cheio de pessoas com potencial e sonhos, mas que jamais os concretizará por falta de conhecimento.

 

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato