artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 25 de Abril de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


De Operário a Empreendedor – Igualando os Opostos

Por: Henrique Montserrat Fernandez

Ao procurarmos no dicionário Aurélio a definição de empreendedor nos deparamos com a seguinte explicação: "Que empreende; ativo, arrojado, cometedor" ou ainda "aquele que empreende; cometedor".

O verbo empreender, por sua vez, segundo o mesmo dicionário, significa "deliberar-se a praticar, propor-se, tentar (empresa laboriosa e difícil) ", além de "pôr em execução".

Por que o termo é praticamente sinônimo de empresa, tal qual o conhecemos hoje?

Sem querer me aprofundar na semântica das palavras, mas apenas abordar o significado que elas tem hoje perante o público em geral, podemos afirmar que o termo empreendedor geralmente se aplica a quem tem uma empresa e, do outro lado, estão os não - empreendedores, ou seja, os empregados.

Terrível engano! Para certas organizações, alguns "empregados" tendem a ser mais empreendedores que os próprios patrões. E enfim, o que é um empregado?

No mesmo dicionário podemos ler definições arcaicas, como "criado", ou sob o aspecto jurídico, "pessoa física que presta serviços de caráter não eventual a um empregador, sob a dependência [!] dele e mediante salário".

Ora, parece que um empregado não passa de um ser inferior, quando nos deparamos com essas definições! Um coitado, ao qual se deve prover o sustento e, que estará "desprotegido" se ficar desempregado !

Não gosto de olhar a coisa sob esse prisma. Ainda mais, quando notamos que as relações "trabalhistas", tais quais as conhecemos hoje, tenderão a desaparecer em breve. É simples: não haverá "emprego" para tantas pessoas, num mundo superpovoado, tendendo ao envelhecimento da população mundial e à conseqüente falência das instituições previdenciárias, além do aumento irreversível da automação de atividades. Será que o futuro é um negro corredor de concreto abarrotado de mendigos? Onde um comerá o outro, enquanto "falsos deuses capitalistas" olham impávidos do alto de arranha-céus sem se importar?

Essa descrição, que tanto agradou ideologias vazias no passado (e infelizmente, ainda faz crescer os olhos dos mais retrógrados), dificilmente corresponderá ao futuro. Simplesmente, porque não há como sustentar benefícios de uns poucos em detrimento da grande maioria, por muito tempo.

Se quisermos que nossa sociedade continue existindo, esse não será o caminho. Este, por sua vez, terá de passar irremediavelmente, pela cooperação social e pelo empreendedorismo.

Voltando ao tema inicial. Um empreendedor é alguém que faz acontecer algo de sucesso. Sucesso não é sinônimo de acúmulo de riqueza, mas sim de "bom êxito; resultado feliz", como nos traduz nosso amigo Aurélio.

Uma ONG dedicada à erradicação do analfabetismo no Brasil, por exemplo, é um empreendimento que, se tem sucesso, não traduz isso em reais para sua conta bancária. Ao contrário, reverte os benefícios para a sociedade, proporcionando meios de aprimoramento pessoal para seus "alunos", bem como gera melhores "funcionários" (desculpem-me o termo) para as empresas no país. Será que as pessoas que atuam nessa ONG não são empreendedores?

Olhemos então, sob outro prisma, a figura do "empregado". Não será ele também um empreendedor? Afinal, ele vende sua mão-de-obra, seu know-how como preferirmos, a um cliente, que pode ter o nome de patrão ou o que quer que seja. A partir de agora, não nos parece melhor a definição? E não é apenas isso. A verdade é que um empregador, qualquer que seja, é mesmo um cliente ao qual devemos satisfazer, a fim de continuarmos a vender o "produto" que é nosso conhecimento, nosso trabalho. As leis de mercado, afinal, não regem os salários da mesma forma que os preços dos produtos que compramos? Quanto maior a oferta menor o preço e vice-versa. Somos todos clientes e fornecedores, conforme a situação.

Então, agora, aquele "coitado" que necessitava ser amparado (e há muitos que infelizmente, de ambos os "lados", ainda pensam que tem de ser assim mesmo) já não precisa mais ser visto como a "vítima" nessa relação. Ele é também um fornecedor que pode e deve negociar satisfatoriamente seu serviço, a preço de mercado, com quem dele necessite. Para isso há sindicatos. Não para negociar férias de 40 dias ou 14º salário, impossíveis de cumprir pela maioria das empresas, mas sim para negociar o valor do serviço de sua categoria, conforme as leis de mercado o impuserem.

Para tanto, o papel do Estado deve ser única e exclusivamente, o de regulador dessa relação, a fim de que não ocorram abusos de nenhum dos lados, além de fomentar o crescimento da economia através da compra e venda de produtos e serviços e não do falso paternalismo imperante, que serve sim, para nos dias atuais, restringir cada vez mais a empregabilidade de seus cidadãos, numa economia globalizada e fortemente competitiva. Quando isso for considerado, e enfim, as leis trabalhistas forem suficientemente flexibilizadas a ponto de absorver-se mais mão-de-obra pelas organizações, e consequentemente, aumentar o giro da economia e da arrecadação pública, o "futuro negro" estará mais distante e a maioria de nós não se sentirá tão "injustiçada".

 

Henrique Montserrat Fernandez é Administrador de Empresas com pós-graduação em Análise de Sistemas e MBA em Tecnologia da Informação / E-management pela Strong/FGV. Com 29 anos de atuação profissional, trabalhou em empresas de médio e grande portes, tais como Grupo Bonfiglioli, Copersucar e SENAC, entre outras. Foi Gerente de Sistemas e Métodos da Zanthus, tradicional fabricante de Terminais Ponto de Venda, onde atuou por mais de seis anos. Foi também professor universitário na década de 90, além de possuir vasta experiência em treinamento empresarial. É especialista nas normas ISO 9000, sendo Lead Auditor pela Perry Johnson Inc., desenvolvendo, inclusive, softwares para essa área. Atual Diretor da Zamplex Consultoria, é autor do livro "Evitando a Falência - Garanta o Sucesso de Seu Negócio" (www.zamplex.com.br) e co-autor em "Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão de Cursos MBAs 2002" da FGV Management, além de escritor de vários artigos sobre gestão empresarial.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato