artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 18 de Agosto de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A realidade dói na idéia de muitos...

Por: Marcelo Albert de Souza

Virada Cultural?

por Anna Carolina Botelho Takeda

São Paulo, show dos Racionais na Praça da Sé, expectativa de um puta show acontecer. Pois é, aconteceu mesmo, mas não como o esperado porque a polícia, ilustríssima polícia, conseguiu inverter o jogo e chamar mais a atenção que o próprio Mano Brown. Na quinta ou quarta música do show, lá pelas 5 da manhã – a galera alvoroçada com a lucidez das rimas dos Racionais – começou a pancadaria. Show lotado, todo mundo se esmagando para conseguir ver aquela figura persistente no palco, a galera cantando alucinada as músicas que falavam da dura realidade enfrentada pelas periferias, pelo Capão Redondo, Jardim Rosana, o Fundão. Era um troço foda para quem, como eu, nunca tinha assistido a um show dos Racionais.

Mano Brown sobe no palco e de cara fala algo sobre as atitudes sinistras da polícia em relação à periferia. A galera concorda em peso porque quem estava ali não era um monte de playboyzinhos universitários como no show anterior do Nação Zumbi, e para quem a polícia, em maior escala tenta ser eficiente. Quem estava ali, salvo algumas exceções, eram os manos, as minas das periferias que convivem com essa polícia incoerente, repressiva, vingativa e corrupta que nasce para cuidar de bens, patrimônios e não de vidas humanas. Alias, pelo jeito que nos trataram, nem éramos gente mesmo, éramos uma massa sem rosto, sem vida, sem alma. Éramos algo próximo de uma boiada que se amontoava para fugir dos “tiros de borracha” das pistolas policias. Essa polícia que no dia seguinte do show disse à imprensa que estava ali para conter as “guerras”, as arruaças dos possíveis baderneiros do show. Porém, quem eram esses arruaceiros, maloqueiros, ladrões, etc? Eram pobres, subordinados, pretos, marginalizados em geral. Pessoas que na sociedade não possuem valor, que causam ojeriza aos cidadãos de “bens”, aos privilegiados que em muitos casos só se aproximam dessa massa periférica porque essa é seu funcionário, seu subordinado, os lavadores de seus banheiros em shopping center, que são isentos de qualquer subjetividade. Pobre nem nome tem, tem cargo, e de fato, cargos de subordinação aos cidadãos de “bens”.

Quem já prestou atenção nas letras dos Racionais pôde notar que as letras  são de fato violentas, que tem tiro, cocaína, crack e morte, porém, isso é parte do retrato de uma realidade cruel que  não é exposta na mídia com teor de verdade. Essas letras não são violentas à toa, elas são violentas porque a violência está no cotidiano dessas pessoas que se identificam com as letras e clamam por justiça. O que incomoda os policias e as classes médias é que as letras dos Racionais trazem uma realidade que quase ninguém quer ver. Elas plantam em cada um daqueles atentos fãs a consciência da situação em que vivem. Claro que a classe média, os universitários que estavam no show da Nação Zumbi não querem ouvir aquelas letras violentas, não faz o menor sentido aquilo tudo, porque não vivem essa realidade de assassinatos cometidos por policiais, onde os corpos amanhecem nas ruas e a única explicação possível encontrada pelos moradores dessas regiões periféricas é de que “os PMs mataram mais um”.

A classe média tem a polícia atendendo seus condomínios de luxo e sua ocorrência policial de furto de automóvel. Para eles sim a polícia pode parecer um pouquinho mais eficiente, porém pra pobre e favelado, aí a coisa começa a complicar. Quem são esses policias para os marginalizados? São exatamente o contrario do que são para os cidadãos que possuem os “bens” e as propriedades. Os policias para os pobres são os agentes das mortes de quem se ama, violam a dignidade de crianças e adolescentes que crescem revoltados com tais atos. Situações essas recorrentes nas periferias e que não apresentam punição aos culpados. São os famosos crimes cometidos por “ninguém”, ou seja, crimes que não causam a menor comoção nacional.

Naquela multidão que foi amassada e na qual eu também estava, me doía essa cegueira coletiva da classe média, esses polícias que em comunhão com a mídia transformam seres humanos ricos em peculiaridades, em bandidos baderneiros. Existe uma guerra civil camuflada por trás desse discurso de paz para todos. Paz pra quem? Pra classe média que está sendo achatada e mesmo assim se endivida para tentar manter uma posição que não possui mais? Somos parte da mesma crueldade de tal sistema econômico voraz que avassala qualquer possibilidade de paz. No caso das periferias se toma consciência mais rapidamente que o restante da população, principalmente por ser ela que sofre os danos mais diretos dessa extrema desigualdade social dos novos tempos.

Os Racionais e outros grupos de rap nascem para denunciar essas porcarias todas que a desigualdade social produz. Eles possuem um novo discurso que desconstrói crenças institucionalizadas por grande parte da população e restauram a dignidade desse povo maltratado e humilhado cotidianamente.

Anna Carolina Botelho Takeda é estudante, professora de literatura e membro do Fórum de Hip Hop e Poder Público. annacbt@hotmail.com
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato