artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 27 de Junho de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Caminhos da vida

Por: Garoto Loko (IT)

[[[ 1. os primeiros valores ]]] Em todos os lugares tem sempre algo extraordinário acontecendo, por mais distante que seja. Não importa se é um lugarejo, um vilarejo,no interior ou nas grande cidades e capitais. Alguma coisa irá estreiar,causar polemica e desenvolver novas circunstancias. Foi assim que tudo começou yazushi, simplicidade, determinação, muito amor e muitas dificuldades cercavam a todos da família até o planejamento e nascimento de jorge. Jorge nasceu um menino forte e saudável. Cresceu na fazenda onde seus pais moravam, com direito a rio, arvores frutíferas, pássaros, um lugar ideal para o pequeno correr, brincar e se desenvolver. Amante de cavalos, adorava passear com o pai, dar milho as galinhas, tirar cacau e morango do pé, pular da canoa no rio. Era um menino de infancia feliz, disso não podia reclamar. Os anos passaram e as coisas ficaram um pouco difícil para familia yazushi, tiveram que sair da fazenda e se mudar para um pequeno sitio, mas nao perderam o espirito de união. Atrás da casa do sítio construíram um quiosque chamado "cê que sabe" onde se reuniam para comer milho, conversar e dar um pouco de risada. Jorge não tinha muito espaço para brincar nesse sítio como na fazenda, logo tratou de ficar mais próximo do seu cachorro chamado Rambo, um companheiro fiel daqueles de se dizer ser realmente o melhor amigo do homem. Alguns meses depois o pai de jorge pensava numa maneira de acrescer a renda da casa, pois os ganhos provinientes do sítio e da vida de fazendeiro não iam como esperado. Seu Alberto, pai de jorge, resolveu então comprar um bar e botar em funcionamento. O bar dava bastante trabalho aos pais de Jorge, Nilda e Alberto. Eles trabalhavam de domingo a domingo e para ficar mais proximos, se mudaram do sítio e alugaram uma casa no centro da cidade, mas distante do sítio. Na nova casa, todos estavam satisfeitos. Apesar de ser de aluguel, todos tinham seu espaço. Seu alberto podia passar horas na sala de tv, Dona nilza tinha uma cozinha espaçosa como queria e jorge podia contar com um longo quintal e um quarto so para brincar e bagunçar. Seus pais saiam cedo para trabalhar e jorge ficava com a babá. Pintava muito, botava casa de cabeça pro ar, sem falar que agora tinha inúmeros amigos para brincar, uma praça enorme do centro da cidade bem proximo a sua casa e assim alberto era só alegria. A família yazushi adorava uma viagem e sempre que dava e o orçamento permitia, faziam viagens, tiravam fotos para deixar registrado a linda familia que eram. Dona nilda que era sempre muito bondosa adorava ajudar as pessoas, se identificou com a área de saúde e conseguiu um emprego no hospital público da cidade, próximo ao sítio. Durante a semana eles ficavam em casa no centro, Seu alberto ia para o bar e nilda para o hospital e aos fins de semana quando o tempo davam, passavam a tarde no sítio. Numa dessas visitas ao sítio, jorge procurou seu cachorro Rambo, mas a notícia era a que ele menos queria: seu cachorro tinha morrido atropelado por um caminhão quando atravessava a rua. Era um cão vira lata, mas bem esperto e estava ao seu lado para tudo. E a primeira sensação de perda não foi lá muito boa, ficou por muito tempo pertubando seu pensamento, lhe deixando chateado e criando o primeiro sinal de revolta. Mas é certo que a vida continua e o tempo soube ensinar isso a jorge, que assumiu a cicatriz da saudade do seu cachorro e seguiu em frente. Mesmo morando no centro e brincando com inumeros meninos, jorge sempre gostava de ter seu momento sozinho, entrar no quarto e se trancar, brincar com seus bonecos sozinho, falar com amigos imaginários, sempre foi assim, sempre teve seu lado e personalidade de ser isolado as vezes. Aos dez anos de idade, jorge viu-se obrigado a mudar toda sua rotina. Dona nilda tinha em mãos uma oportunidade para trabalhar em um hospital público da cidade do São Salvador. Por meio de transferencia isso seria possivel, podendo continuar ate no mesmo setor. Dona nilda tinha alguns parentes por la. Apoio, familiares e conhecimento não seriam problema já que nilda já tinha ido alguas vezes a Salvador. A educação dada a jorge era de muita disciplina, amor e e direcionamento aos estudos. Faziam querstão de oferecer o melhor colégio para o filho. A filosofia cultural oriental era também muita difundida na família. Jorge desde pequeno sempre cresceu ouvindo do pai histórias do Japão, suas tradições, sempre viu o pai fazer todo tipo de comida japonesa e principalmente do valor e significado do sobrenome da familia. Seu alberto era japonês e dona nilda brasileira-baiana, jorge também era baiano, mas soube absolver as duas culturas direitinho. Sempre se orgulhou de ser baiano e sempre defendeu com unhas e dentes seu sobrenome e honra da familia, desde pequeno isso era passado pelo pai. Isso é uma falha muito grande do brasileiro, crescer achando seus nomes comuns, tendo vergonha do proprio sobrenome e esquecendo de ter valor e amor próprio. Su albrto tambem escrevia muito bem e dono de uma inteligencia exemplar, escrevia comunicados e documentos profisionais com ortografia e palavras muito concisas e um português claro. Jorge como sempre analisava tudo com cuidado e procurava adquirir o mesmo dom do pai. Era muito difícil um texto do seu alberto não impressionar ou convencer alguém. Ser homem e assumir o que se faz, ter palavra, ser forte, respeitar e entender a figura do chefe de casa desde cedo, sabendo que ele merece o máximo de consideração e obdiencia. Sua mãe ensinava valores como solidariedade, determinação e ser intenso em tudo que se faça e se goste. [continua no proximo artigo]

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato