artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 24 de Novembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


As entrelinhas de uma história fantástica!

Por: Júnior Barreto

POR GILBERTO DIMENSTEIN

Escritor das entrelinhas

Jornalista fez de sua rotina "massacrante" como operador de telemarketing tema de livro-reportagem

JÚNIOR BARRETO queria virar escritor por uma única razão: relatar sua vivência no mundo do telemarketing. Nem precisaria sair da cadeira para realizar sua investigação. Havia nove anos estava metido, quase todos os dias, num call-center. "Testemunhei humilhações cotidianas", conta.
Filho de migrantes cearenses, Júnior veio com três anos para São Paulo, onde, ainda adolescente, foi vendedor de banca de jornal e contínuo. Aos 18 anos, conseguiu seu primeiro emprego em um call-center. "É um dos poucos lugares que aceitam jovens com pouca experiência."
Por isso, muitos, segundo ele, se submetem a humilhações como só poder ir ao banheiro a cada seis horas ou ter de colocar em sua mesa, como punição, a escultura de uma tartaruga. Incomodava-o ver como os operadores davam informações mecanicamente, sem entender direito o que liam, obrigados a seguir o "script". "Quem não seguia o "script" era advertido."
Viver de telemarketing, no entanto, era o que lhe garantia pagar a mensalidade da faculdade de jornalismo, onde preparava seu livro.

 

Não teve a menor dificuldade para escolher o tema de seu TCC (trabalho de conclusão de curso), cujo título é "Linha de frente - Os bastidores do telemarketing". A rotina do operador, obrigado a falar sobre empresas ou produtos que não conhece, é um massacre psicológico. "Há tantas regras para seguir, que um indivíduo fica descaracterizado. Você não é mais você, tudo é uma representação. Existe um segundo eu, uma sombra contínua."
À medida que escrevia seu livro-reportagem, Júnior foi percebendo que, além do jornalismo, resvalava a psicologia -escrever servia de válvula de escape.
"Colocar tudo no papel, relembrar as histórias, era como se eu estivesse numa terapia. Sentia como se estivesse recobrando integralmente minha identidade."
Diante do computador, só havia uma ordem a dele próprio. "Agora, quem mandava no "script" era apenas eu."
 

A "terapia jornalística" foi longe -sabia que, depois de contar sua história, não teria mais condições psicológicas de voltar para qualquer call-center. Apresentado o TCC, no final do ano passado, ele decidiu pedir uma licença do emprego para se dedicar à publicação do livro.
Conseguiu, por enquanto, fazer um único exemplar artesanal, graças à ajuda de amigos que trabalham num sindicato. Nem sabe se conseguirá fazer mais cópias nem se conseguirá virar repórter. Ainda não conseguiu escapar do anonimato que viveu no call-center, mas pelo menos já tem uma história para contar. É bem mais do que apenas um "script" para repetir.
 

PS- Coloquei em meu site (www.dimenstein.com.br) trechos do livro de Júnior Barreto.

gdimen@uol.com.br
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato