artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Quinta - 21 de Setembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Anjos da Vila Olimpia

Por: EDSON TALARICO

(Fato real acontecido por volta de 1955.) 

Morávamos, à época, bem perto do ponto final do Capãozinho, Largo São José. Como vocês já sabem, meu pai tinha um time de Futebol, o “XI Paulista” que todo domingo rodava os campos de várzea da região com os jogadores na carroceria do caminhão.

Naquele domingo o time foi jogar na Riviera, num campo bem na margem da Represa. O time ganhou e ao fim do jogo, no meio daquela algazarra, meu pai mandou que eu (7) e o Wagner (9) fossemos até a represa encher o galão para por água no radiador do Ford 46. Quando estávamos pegando o galão para cumprir a ordem, ele, meu pai, disse que não precisava. Só que nós não ouvimos e fomos em direção à água, distante uns 200 metros dali.

Enquanto enchíamos o galão, o caminhão começou a manobrar e, de repente, saiu saculejando até ganhar a estrada levantando poeira.

Evidentemente, saímos desesperados, correndo, batendo o galão cheio d’água nas pernas, gritando, e vendo o caminhão sumir numa curva.

Eram mais ou menos 6 horas da tarde.

Imaginem, aquele fim de mundo, àquela época, não havia uma só construção na beira da estrada. Era mato, e só. A noite caiu como um manto escuro. Não se via nada.

Choramos muito. Quando a gente prestava atenção, conseguia ouvir o gemido do Fordinho subindo alguma ladeira.

Para nossa sorte, correndo sempre, pouco tempo depois alcançamos 3 rapazes que caminhavam no mesmo sentido. Vendo que estávamos chorando, perguntaram o que havia acontecido. Após contarmos nossa desventura eles disseram que tinham pedido carona para o caminhão mas que ele não tinha parado. Disseram que eles eram da Vila Olímpia e que tinham vindo passar o dia na Riviera, numa espécie de pic-nic. Como só tinha um ônibus pela manhã e outro à tarde e, este eles tinham perdido, tiveram que tentar voltar a pé.

Nós nos apressamos a falar prá eles que perto de casa tinha ônibus que ia prá cidade, e eles resolveram nos acompanhar.

Andamos muito, passamos pelo Santa Margarida, subimos até o Jardim Ângela e descemos de lá até o Ponto Final. Depois de aproximadamente 1 hora e meia estávamos em casa. Os rapazes com a gente.

Minha mãe nos recebeu assombrada, mas ouviu atentamente o relato nosso e dos moços.

Disse que meu pai, após deixá-la em casa com os outros irmãos, foi até o Valo Velho levar os outros jogadores. Ela pensou que nós estivéssemos na carroceria e não se preocupou...

Emocionada, deu um lanche para os rapazes, explicou a eles onde pegar o ônibus, e nos pôs na cama.

Quando meu pai voltou, ela perguntou:

- Cadê os meninos ?!?

- Eles não estão aqui ?

- Não, eles não foram com você levar os jogadores ?

- Chi !!! Eu mandei eles pegarem água na represa... Será que eles ficaram lá...

E voltou prá ligar o caminhão, quando minha mãe, falou:

- Eles ficaram lá, sim, mas já chegaram, estão na cama...

A cena que se seguiu, ficou gravada em minha memória. Meu pai, um homem simples e de certa forma rude, chorando, abraçado a 2 filhos que ele havia recuperado...

Aos anjos, muito obrigado!!!

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato