artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Sexta - 15 de Dezembro de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A volta da Escola

Por: EDSON TALARICO

A VOLTA DA ESCOLA

 

Gozado, quando a gente fica velho, sente saudade até do que era ruim. Mas, voltar da escola no nosso tempo era uma aventura e traz recordações das mais diversas.

A gente era doido para, quando subíamos o Morro do “S”, pegar uma carona com o Seo Alexandre Eder, dono do Frigor Eder.

Na época, naquele horário, ele voltava do Frigorífico (Isabel Schmidt x Av.Adolfo Pinheiro) em Santo Amaro para sua casa na Fazenda Santa Gertrudes no Valo Velho, em seu Chevrolet 51. O carro era lindo, bancos de couro, um luxo.

Sobre o banco dianteiro ele levava pacotes de dinheiro, arrumadinho e amarrados com barbante. Era muito dinheiro.

O estradão de terra. Depois veio o asfalto. Feito com tecnologia da época. Imagine só, jogavam-se umas pedras grandes, pixe, uns pedriscos e pixe. A grande diferença, porém, é que os caras faziam a estrada toda. Pedaço por pedaço, mas a estrada toda. Não se fazia primeiro uma faixa depois a outra.

Me lembro até hoje que quando estavam asfaltando em frente à Delegacia.

Aquele morro que termina na entrada do Colégio Adventista, na época era bem mais íngreme. Eles melaram a pista toda e não sinalizaram nada. O caminhão do japonês chacareiro apareceu no alto do morro, cheio de gente na carroceria. O pessoal do DER, aqui em baixo, gritava pro japonês parar. O japonês mete o pé no freio. O caminhão desce deslizando, rebolando, corcoveando, e mete a cara no barranco. A japonezada em cima de pernas pro ar.

Prá gente em cima do barranco aquilo era uma festa.

O caminhão atravessado na pista, a carroceria no meio da rua. A perua do Emilio Guerra apareceu no alto. Todo mundo gritando. A cena se repete. O cobrador firuleiro, na porta com o troco dobrado entre os dedos, se esforçava para não ser jogado. A perua desce deslizando, rebolando, corcoveando, tombando, bate na quina da carroceria do caminhão, volta a se aprumar e consegue parar lá em baixo em frente ao portão do Colégio. O cobrador e os passageiros começam a descer. As pernas tremendo. Cenas inesquecíveis.

Do lado da rodovia ficavam tambores com  pixe pela metade. Chovia, o tambor se enchia d’água. O pixe formava uma crosta e dava prá pegar sem sujar as mãos.

Como na volta a gente formava grupos (turmas). O pixe ali, a oportunidade ali, os adversários ali, a ocasião ali, a guerra ali.

Alguém metia a mão no tambor, fazia a bola de pixe e começava. A gente punha o pessoal do Marciano prá correr. O pessoal da Vila Diniz...etc..

Na hora de chegar em casa, o mais novo, que geralmente faz o serviço sujo, entrava sorrateiro pela janela, pegava o garrafão de querozene e levava para o pessoal se limpar.

Depois de lavar as mãos e o rosto. Davam a volta e entravam em casa como se nada tivesse acontecido...

Bons Tempos.
COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato