artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 23 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


Sonhei com esse dia - Mano Brown no Fantástico

Por: João Batista Soares de Carvalho

Sonhei com esse dia (...)” é um trecho da letra escrita por Mano Brown e acrescentada na música Umbabarauma de Jorge BenJor. Essa parceria inaugurou uma grande polêmica porque marcou a primeira aparição planejada de Mano Brown no Programa Fantástico da Rede Globo. Essa aparição gerou uma enorme repercussão e pode representar as transformações pelas quais passa o hip hop, e conseqüentemente o RAP, nessa década.

Alguns, mesmo ignorando a razão e não querendo saber das justificativas, viram esse ato como uma prova de que o rapper se vendeu para a “mídia”.  Por outro lado, se analisarmos o clipe, produzido pela Nike, notamos que Mano Brown não aparece de qualquer forma. Normalmente um jovem negro aparece nos principais veículos televisivos tachado como criminoso e armado. No clipe Mano Brown apresenta outras armas que a periferia está aprendendo a usar. Mano Brown representa, no clipe, o negro criador, o escritor, o compositor, o músico. Em vários trechos do vídeo ele aparece manipulando a letra, usando um caderno e uma caneta. Como ele já cantou várias vezes, essas deveriam ser as armas dos pobres, dos pretos de periferia, favelados.  

Mano Brown não precisa justificar nada. Não fez nada de errado. Não foi incoerente. Principalmente porque se o Jorge Benjor veio a quebrada, no reduto de Mano Brown, cantou para o público do RAP, foi justo Mano Brown retribuir. Além disso, não foi de graça: toda a renda da venda dessa música será revertida para o projeto social criado por Mano Brown no Capão Redondo.

Como disse um colega meu: “Agora favelado tem razão pra pagá de Nike, sobro uns cobre pra nóis!”


COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato