artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Terça - 23 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


A importância do funk para o jovem da periferia

Por: João Batista Soares de Carvalho

Nesse mês de junho dois alunos (Edson e Maxswell) da 8ª Série da EMEF Antônio Carlos de Andrada e Silva da Vila Jacuí, Zona Leste da cidade de São Paulo, me procuraram para que eu falasse sobre a importância do Funk para os jovens. Eles estavam produzindo um programa de rádio para um projeto do CDC Tide Setúbal na escola. Esses alunos fizeram um levantamento e descobriram que o ritmo preferido dos jovens estudantes dessa escola é o funk.

Perguntaram-me sobre a história do funk e resumidamente eu resgatei um pouco da origem do ritmo nos Estados Unidos marcado pelas batidas e pelos metais, destacando a figura de James Brown. Depois falei um pouco sobre a apropriação da Miami Bass feita pelas equipes de bailes do Rio de Janeiro até a criação de letras sobrepostas a essas batidas mais eletrônicas.

Sei que alguns esperavam que eu fizesse uma crítica ao funk carioca. Só que o funk não é uma coisa só, apresentando uma gama de letras para todos os gostos: românticas, pornográficas, apologias, políticas, afirmativas. É só escolher a que mais agrada ou não, pois ninguém é obrigado a gostar.

Perguntado sobre porque o dos jovens gostarem tanto do funk eu digo que o ritmo agrada muito, mas não podemos negligenciar o fato da letra chamar muito a atenção. A letra é transgressora principalmente permitir que um jovem de periferia, afrobrasileiro, pobre (que nunca teve voz e vez) fale o que pensa.

Defendo na entrevista que o funk atual do Brasil é alvo de um forte preconceito de ordem racial e classista. O problema do funk não está no que se canta e sim em quem canta. Se a mesma música dos funkeiros for interpretada por algum cantor da “MPB”, provavelmente não receberá as mesmas críticas que recebem os jovens pobres e negros de periferia que ousaram emitir opinião de forma pública.

O que procuro destacar nessa entrevista é o fato dos afroamericanos e afrobrasileiros usarem o funk para expressar sua condição de classe e de etnia, expressar a luta pela voz, pelo direito de expor sua visão de mundo.

Ouça o áudio da entrevista em climadefavela.blogspot.com


COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato