artigos acontece nossa arte humor dialeto o comédia & o truta histórias para refletir
Domingo - 28 de Maio de 2017
COLUNISTAS 
@ SANDRA LOURENÇO
@RR RODRIGUES
Ademiro Alves (Sacolinha)
Alberto Lopes Mendes Rollo
Alessandro da Silva Freitas
Alessandro Thiago da Silva Luz
Alexandre M. O. Valentim
Ana Carolina Marques
Antony Chrystian dos Santos
Carla Leite
César Vieira
Cíntia Gomes de Almeida
Claudia Tavares
EDSON TALARICO
Eduardo Souza
Elias Lubaque
FAEL MIRO
Fernando Alex
Fernando Carvalho
Fernando Chaves dos Santos
Flávio Rodrigues
Garoto Loko (IT)
Gisele Alexandre
Henrique Montserrat Fernandez
Ivan de Carvalho Junqueira
Jack Arruda Bezerra
Jean Jacques dos Santos
João Batista Soares de Carvalho
João Henrique Valerio
JOEL BATISTA
Jonas de Oliveira
Jose de sousa
Júnior Barreto
Karina dos Santos
Karina dos santos
Leandro Carvalho
Leandro Ricardo de Vasconcelos
Leonardo Lopes
Luiz Antonio Ignacio
Marcelo Albert de Souza
Marco Garcia
Marcos Lopes
Maria de Moraes Barros
massilon cruz santos
Natália Oliveira
Nathalia Moura da Silva (POIA)
NAZARIO CARLOS DE SOUZA
NEY WILSON FERNANDES SANTANNA
Rafael Andrade
Rafael Valério ( R.m.a Shock )
Regina Alves Ribeiro
Rhudson F. Santos
Ricardo Alexandre Ferreira
Rodrigo Silva
Silvio Gomes Batisa
Sônia Carvalho
Teatro nos Parques
Thiago Ferreira Bueno
Tiago Aparecido da Silva
washington
Wesley Souza
Weslley da Silva Gabanella
Wilson Inacio

APOIADORES 


Todo o conteúdo do portal www.capao.com.br é alimentado por moradores e internautas. As opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.


O Caminhão

Por: EDSON TALARICO

O CAMINHÃO

 

O menino saiu da escola naquele dia como um foguete. Ele pressentia que seu pai deveria estar esperando para levá-los prá casa de caminhão.

Não era sempre que isso acontecia, mas, naquele dia em especial, ele estava pressentindo porque ouvira o Abílio comentar com o Izidoro que eles iam entregar tijolos no Jabaquara.

Quando a entrega era longe, eles sempre voltavam à tardinha.

Descendo a rua da escola São Vicente ele viu o caminhão parado do outro lado da Estrada de Itapecerica no sentido de quem vai subir o Morro do “S”.

Sebo nas canelas. Não via a hora de subir no caminhão e se livrar da caminhada dura até o olaria, lá no Valo Velho.

Passou em frente à Igreja Nossa Senhora do Carmo. O seu pai (Sr. Valdemar) observava ao lado do caminhão e viu quando o menino atravessou a Elias Maas sem olhar. O carro não teve tempo de frear, passou quase raspando a perna do menino que chegou a sentir o vento.

Seo Valdemar ficou branco. O susto foi tamanho que ele gelou na hora.

Quando o menino se aproximou, sem graça, se esgueirando, ele o agarrou pelo braço, levou para traz do caminhão e deu umas dez palmadas até desafogar e descarregar toda a carga emocional do momento.

O menino chorou um pouco. Mais de vergonha do que de dor.

Hoje ele agradece àquelas palmadas, dadas na hora certa e por motivo justo, que fizeram com que ele, sempre, em toda a sua vida tomasse cuidado para atravessar outras ruas.

Obrigado, meu pai...

Querem proibir as palmadas, ora proíbam a fome, o descaso, o roubo da merenda, o roubo das verbas públicas, a violência da polícia, a prepotência das “otoridades”, etc

Cuidem do que deve ser cuidado.

Educação é em casa na primeira infância. Se preciso até com umas palmadas.

Ensinando Valores, princípios, ética, moral, respeito.

Depois disso: MANUTENÇÃO!!! Basta um olhar e nada mais.

Sou contra as pessoas que espancam as crianças, batem em qualquer parte do corpo, a bunda foi feita prá isso.

Tem pessoas (não podem ser chamados de seres humanos) que beliscam, puxam a orelha, queimam com cigarros, açoitam, machucam, aplicam castigos cruéis, em crianças indefesas que não pediram para vir ao mundo. Pobres inocentes.

Para estes, sim a Lei deveria ser cruel.

COMENTÁRIOS


Colaborações deste autor:
Para ver todas as contribuições deste autor, clique aqui.

institucional capão redondo política de privacidade newsletter colunistas contato